Arquivo mensal: junho 2016

Como você define “pessoa difícil”?

IMG_4998

É preciso encontrar caminhos de acesso para nos comunicarmos com as pessoas que consideramos difíceis. (Fotografei em Rio Preto – MG).

Essa foi a pergunta de uma participante da conversa após a palestra “Nas trilhas da vida”.

– Ah, é a pessoa que não escuta seu ponto de vista, afirma o tempo todo que ela é quem está certa e os outros estão errados e aí a conversa não evolui.

– A pessoa que você acha difícil também pode achar você difícil, não é?

– Sim, claro. Ela pode achar que você é o cabeça-dura, que não cede aos argumentos que ela apresenta e se recusa a concordar com seus pontos de vista.

É o circuito da interação que torna as conversas difíceis. “O que eu faço influencia o que você faz e vice-versa”. A pessoa considerada difícil em um relacionamento pode ser vista como acessível em outro. “Quando eu conheci a ex-mulher do meu atual marido ela me avisou para tomar cuidado porque ele tinha um gênio horrível. Estamos juntos há dez anos e temos uma convivência ótima” – comentou uma participante.

“Já passei por períodos difíceis com meu filho e minha nora. Aí resolvi viver a minha vida e deixá-los viver a deles. Como adultos, eles são responsáveis pelas escolhas que fazem, mesmo que eu não concorde com algumas delas. Agora só dou minha opinião quando me pedem. E passamos a conversar sobre outras coisas, o que ficou muito melhor” – comentou outra.

“Meu filho é muito fechado, é difícil conversar com ele, nunca sei o que ele está realmente pensando ou sentindo. Mas, com a namorada, ele se abre!”. Quando perguntei como ela costuma abrir a conversa, disse que faz muitas perguntas para “tentar extrair dele alguma coisa”. No entanto, isso cria um clima de inquérito, que provavelmente o faz se sentir invadido, e, então, se fecha para se proteger. Como tentar outras possibilidades de conversa? O que pode observar sobre o modo como a namorada do filho descobre as vias de acesso?

Reavaliar nossa contribuição para as “conversas difíceis” é um bom instrumento para inspirar mudanças no circuito interativo. As pessoas que consideramos difíceis podem nos dar oportunidades de abrir novos caminhos de comunicação. Não adianta ficar esmurrando a parede, com queixas, reclamações e recriminações. “As pessoas difíceis são nossas professoras” – comentou um participante. Da mesma forma, problemas são oportunidades de criar recursos para agir e encontrar soluções. “Por isso, sou grata às dificuldades que encontro em minha vida, elas me fazem amadurecer” – disse outra participante, com mais de 80 anos.

Há alguns anos, fiz um curso na Universidade de Harvard: Como lidar com conversas difíceis. A curiosidade para entender como o outro vê o problema, a habilidade para perceber os sentimentos subjacentes e a disposição para criar uma “terceira história” a partir do entendimento recíproco foram alguns dos tópicos abordados. O livro escrito pelos três professores já está disponível no Brasil: Conversas difíceis, de Douglas Stone, Bruce Patton e Sheila Heen, da Elsevier Editora. Recomendo!

Anúncios

Nossa casa comum

203

Entrar em comunhão com a natureza é reverenciar sua beleza, como na Capela de Mármore que fotografei na Patagônia Chilena.

A Semana do Meio Ambiente pode nos inspirar boas reflexões sobre nossa responsabilidade coletiva. “O urgente desafio de proteger a nossa casa comum inclui a preocupação de unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral”  – escreve o Papa Francisco em sua encíclica Laudato Sí, escrita em 2015. Ele recomenda que nosso contato com a natureza seja por meio da admiração e do encanto, para vivenciar a experiência de união com tudo o que existe para fortalecer a sobriedade e a solicitude. Como tudo está interligado, ”exige-se uma preocupação pelo meio ambiente, unida ao amor sincero pelos seres humanos e a um compromisso constante com os problemas da sociedade”.  E afirma que é preciso “revigorar a consciência de que somos uma única família humana. Não há fronteiras nem barreiras políticas ou sociais que permitam isolar-nos e, por isso mesmo, também não há espaço para a globalização da indiferença”.

A estreita relação entre pobreza e fragilidade do meio ambiente é claramente expressa nesse texto, quando faz a ligação entre a degradação ambiental e a degradação humana e ética. Isso dá margem ao “convite a procurar outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta de um novo estilo de vida”.

A busca da coerência é essencial: “Não pode ser autêntico um sentimento de união íntima com os outros seres da natureza, se ao mesmo tempo não houver no coração ternura, compaixão e preocupação pelos seres humanos. É evidente a incoerência de quem luta contra o tráfico de animais em risco de extinção, mas fica completamente indiferente perante o tráfico de pessoas, desinteressa-se dos pobres ou procura destruir outro ser humano de que não gosta”. Vivemos em um mundo onde “o imenso crescimento tecnológico não foi acompanhado por um desenvolvimento do ser humano quanto à responsabilidade, aos valores, à consciência”.

O Papa Francisco enfatiza que não há duas crises separadas: uma ambiental e outra social. Há “uma única e complexa crise socioambiental. As diretrizes para a solução requerem uma abordagem integral para combater a pobreza, devolver a dignidade aos excluídos e, simultaneamente, cuidar da natureza”. Isso conduz a uma redefinição do que é o progresso: “um desenvolvimento tecnológico e econômico, que não deixa um mundo melhor e uma qualidade de vida integralmente superior, não se pode considerar progresso”.

Para ler o texto na íntegra:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html