Arquivo mensal: outubro 2018

Como lidar com o medo?

IMG_20181022_155715188

Legenda: Quando ficamos acorrentados ao medo, nosso espaço vital encolhe (Fotografei no Jardim das Esculturas, de Rogério Bertoldo, em Júlio de Castilhos, RS)

O medo faz parte do nosso equipamento inato. Ao perceber o perigo (real ou imaginário), nosso cérebro aciona a reação para lutar, fugir ou paralisar. Sentir medo é essencial para a sobrevivência e a autoproteção. Mas também pode nos acorrentar, impedindo a exploração mais ampla dos territórios da vida, inibindo a ousadia, a experimentação e a inovação.

Em conversa com amigos sobre o tema, começamos pelo medo na própria gestação. Alguém mencionou o conceito de “barriga medrosa” – o medo de passar por outra perda gestacional. Uma participante contou que nasceu após a perda de uma irmã, e recebeu o nome da que morreu. Eu mesma fui a “sobrevivente” entre duas gestações de minha mãe. Outra, gestada durante a Segunda Guerra Mundial, ouvia sua mãe falando sobre o medo do mundo e do que viria depois.

Há medos nutridos pelo contexto em que vivemos. Quando há muita violência nas ruas, há quem deixe de sair à noite. Mas, ao viajar para países com maior segurança pública, esse medo não se manifesta. Adultos que, quando adolescentes, saíam sem medo, preocupam-se quando seus filhos adolescentes não chegam no horário combinado. E muitos filhos, adolescentes e adultos, alertam os pais sobre o perigo das ruas.

O medo se expressa de várias maneiras no decorrer da vida. Em crianças: medo do escuro, de que os pais morram e ela fique sem ter quem lhe ampare, de ser rejeitada pelos colegas. Em adolescentes: tudo é intenso e dramático, colorindo o medo da perda do primeiro amor, da não aceitação dos outros por não ter o corpo de acordo com os padrões de beleza, de não ser popular nas mídias sociais. Nos jovens, medo de não escolher a profissão “certa”, de não conseguir se colocar no mercado de trabalho nesse mundo imprevisível e sem garantias. Em adultos: medo de ter filhos nesse “mundo louco”, de se envolver em uma relação amorosa e sofrer, de sair de um relacionamento abusivo e não encontrar alguém “melhor”. Na velhice, medo do desamparo, de “dar trabalho para os outros”, de não ter uma fonte de sustento financeiro. O medo do sofrimento prolongado, para muitos, é maior do que o da própria morte. Nesse tema, vale a pena assistir a palestra de Ana Cláudia Arantes, médica especialista em cuidados paliativos, que indica caminhos para lidar com esse medo.

Por fim, muitos também citaram o medo do que virá com o próximo governo, em um cenário tão polarizado nas eleições.

É preciso equilibrar a coragem e a cautela para lidar com os medos que nos assombram. E se esforçar para distinguir entre os perigos reais e os que são nutridos por pensamentos catastróficos. Vale expandir o diálogo interno: “O que de pior pode realmente acontecer”? “Vou desafiar esse medo, talvez o que imagino não aconteça”; “Já passei por experiências dolorosas e sobrevivi”.

Expandir a capacidade amorosa, a fé e a resiliência são recursos poderosos para reduzir o medo e fortalecer a coragem. No curso oferecido pela Universidade de Yale sobre a ciência do bem-estar, um dos temas é a capacidade de descobrir forças internas que são acionadas quando nos colocamos diante de desafios. Somos mais resilientes do que imaginamos!

Ana Cláudia Arantes – Como envelhecer:

https://www.youtube.com/watch?v=zcj5DVTciIw&feature=youtu.be

Yale University: The Science of Well-Being.

https://www.coursera.org/learn/the-science-of-well-being/

 

 

Anúncios

Projeto arara azul no Pantanal

Sempre que possível, gosto de nutrir minha esperança viajando pelo Brasil para conhecer projetos que dão certo. Dessa vez, fui ao Pantanal (MS), na região de Aquidauana, para uma fazenda que faz parte de um projeto de recuperação de araras azuis e tamanduás.

232.jpg

É bom ver o projeto bem sucedido de recuperação de araras azuis no Pantanal.

Quatro dias de imersão total na natureza, acordando às cinco da manhã com centenas de pássaros e as araras azuis em palmeiras próximas. Às seis, desfile de pássaros em frente ao salão do café da manhã, encantando a todos nós, incluindo um grupo de dez europeus observadores de pássaros com enormes binóculos e potentes teleobjetivas, anotando meticulosamente o nome dos que conseguiam ver, entre as mais de trezentas espécies na área da fazenda.

No decorrer dos quatro dias, em caminhadas, passeios em jipe, charrete e barco pelo rio Aquidauana, conseguimos ver pica-pau, cardeal, cafezinho (jaçanã), curicaca, maçarico real, colhereiro, tuiuiú, ema, seriema, garça branca, marreca cabocla, carcará, aracuã, urutau, quero-quero, anu branco, fogo apagou, bem-te-vi, noivinha, joão de barro, cavalaria, canário da terra, chupim, sabiá, gralha picança, papagaio, periquito, tucano, gavião caboclo.  De animais, jacaré, capivara, veado campeiro, tatu-pebam, lobinho, cotia, quati, macaco-prego, porco do mato, jararaca, tamanduá-bandeira e muito gado de corte. Há onças, mas não é fácil avistá-las.

257

A elegância do tuiuiú.

Pôr do sol deslumbrante, uma árvore com milhares de garças brancas se preparando para dormir, uma enorme lua cheia, céu estrelado, pancadas de chuva antes do período habitual, árvores belíssimas. Porém, não há escolas na área: a prefeitura manda ônibus buscar as crianças, que acordam às quatro da manhã e retornam no início da tarde. Nem todas as escolas dão almoço.

157

Bem ao fundo, a árvore repleta de garças brancas.

Um dos guias, da tribo terena, conta que, na aldeia próxima à fazenda, há uma escola que ensina a língua terena às crianças. Há ônibus que buscam os jovens universitários da tribo à tarde e os levam de volta em torno da meia-noite. Há o costume de usar ervas medicinais e de amamentar os bebês. Porém, as parteiras deixaram de ser requisitadas: as mulheres vão para os hospitais em Aquidauana, a 50 quilômetros de lá.