Arquivo do autor:Maria Tereza

Sentimentos misturados

 

IMG_20180911Guignard

Sentimentos misturados refletem conflitos internos (Fotografei uma tela de Guignard).

 

No reino dos sentimentos, os opostos coexistem em proporções variadas, delineando conflitos internos que surgem quando precisamos tomar decisões importantes, fazer escolhas complexas, pesar prós e contras antes de entrar em situações novas. “Será que vale a pena eu me casar com ele?”; “A proposta do novo trabalho é ótima, mas eu terei que morar em outra cidade, será que vou me adaptar?”

“Quero e não quero”, “gosto dessa ideia e não gosto ao mesmo tempo”. Medo e desejo, coragem e cautela: tudo isso se mistura.

Dei uma aula online cujo tema era: Psicologia da gravidez – os matizes da ambivalência, que gerou uma conversa muito interessante com as dezenas de pessoas presentes na sala virtual. Ter um filho é uma experiência profundamente transformadora e, por isso, gera mistura de sentimentos não só para decidir engravidar como também no decorrer da gestação. Vale ressaltar que essa mistura de sentimentos é dinâmica e depende de vários fatores.

Mesmo em uma gestação planejada é comum surgir a ambivalência: “Será que esse era mesmo o melhor momento para engravidar? Não deveria ter esperado até terminar minha pós-graduação?” Quando o medo de assumir o desejo de ter um filho é intenso, é comum acontecer a gravidez “planejadamente acidental”: o desejo inconsciente motiva o esquecimento de tomar a pílula ou colocar o diafragma. Essa mistura de sentimentos acontece também no “homem grávido”: “Está tudo tão difícil com dois filhos, e ela engravidou do terceiro…”

O medo do futuro, pessoal ou coletivo, dá forte colorido à mistura dos sentimentos: “Será que vou conseguir dormir uma noite inteira depois que o bebê nascer?”, “Será que vou conseguir conciliar trabalho e maternidade?” “Às vezes eu me acho louca por ter tido um filho com esse mundo do jeito que está”.

Para entender melhor a mistura de sentimentos é importante olhar para o contexto maior. Como é a rede de relacionamentos? Com quem podemos contar? “Foi difícil assumir essa gravidez sozinha, sem apoio da família e do companheiro”. É bom lembrar que há quem encontre apoio em amigos e até em grupos online de pessoas que estão passando por situações semelhantes. É o que aconteceu, por exemplo, quando começaram a nascer muitos bebês com microcefalia em consequência da infecção pelo vírus zika. A ajuda recíproca proporcionada por esses grupos – presenciais ou virtuais – é inestimável.

Os sentimentos são dinâmicos e se transformam uns nos outros. Um relacionamento amoroso pode iniciar com paixão e terminar com ódio e rancor. O contrário também acontece: lembro de um homem que atendi que rejeitou a terceira gravidez de sua companheira, o que a deixou muito magoada. Porém, o recém-nascido pouco a pouco o conquistou de modo que, ao final do primeiro ano, ele estava totalmente ligado a esse filho.

Anúncios

Como lidar com o medo?

IMG_20181022_155715188

Legenda: Quando ficamos acorrentados ao medo, nosso espaço vital encolhe (Fotografei no Jardim das Esculturas, de Rogério Bertoldo, em Júlio de Castilhos, RS)

O medo faz parte do nosso equipamento inato. Ao perceber o perigo (real ou imaginário), nosso cérebro aciona a reação para lutar, fugir ou paralisar. Sentir medo é essencial para a sobrevivência e a autoproteção. Mas também pode nos acorrentar, impedindo a exploração mais ampla dos territórios da vida, inibindo a ousadia, a experimentação e a inovação.

Em conversa com amigos sobre o tema, começamos pelo medo na própria gestação. Alguém mencionou o conceito de “barriga medrosa” – o medo de passar por outra perda gestacional. Uma participante contou que nasceu após a perda de uma irmã, e recebeu o nome da que morreu. Eu mesma fui a “sobrevivente” entre duas gestações de minha mãe. Outra, gestada durante a Segunda Guerra Mundial, ouvia sua mãe falando sobre o medo do mundo e do que viria depois.

Há medos nutridos pelo contexto em que vivemos. Quando há muita violência nas ruas, há quem deixe de sair à noite. Mas, ao viajar para países com maior segurança pública, esse medo não se manifesta. Adultos que, quando adolescentes, saíam sem medo, preocupam-se quando seus filhos adolescentes não chegam no horário combinado. E muitos filhos, adolescentes e adultos, alertam os pais sobre o perigo das ruas.

O medo se expressa de várias maneiras no decorrer da vida. Em crianças: medo do escuro, de que os pais morram e ela fique sem ter quem lhe ampare, de ser rejeitada pelos colegas. Em adolescentes: tudo é intenso e dramático, colorindo o medo da perda do primeiro amor, da não aceitação dos outros por não ter o corpo de acordo com os padrões de beleza, de não ser popular nas mídias sociais. Nos jovens, medo de não escolher a profissão “certa”, de não conseguir se colocar no mercado de trabalho nesse mundo imprevisível e sem garantias. Em adultos: medo de ter filhos nesse “mundo louco”, de se envolver em uma relação amorosa e sofrer, de sair de um relacionamento abusivo e não encontrar alguém “melhor”. Na velhice, medo do desamparo, de “dar trabalho para os outros”, de não ter uma fonte de sustento financeiro. O medo do sofrimento prolongado, para muitos, é maior do que o da própria morte. Nesse tema, vale a pena assistir a palestra de Ana Cláudia Arantes, médica especialista em cuidados paliativos, que indica caminhos para lidar com esse medo.

Por fim, muitos também citaram o medo do que virá com o próximo governo, em um cenário tão polarizado nas eleições.

É preciso equilibrar a coragem e a cautela para lidar com os medos que nos assombram. E se esforçar para distinguir entre os perigos reais e os que são nutridos por pensamentos catastróficos. Vale expandir o diálogo interno: “O que de pior pode realmente acontecer”? “Vou desafiar esse medo, talvez o que imagino não aconteça”; “Já passei por experiências dolorosas e sobrevivi”.

Expandir a capacidade amorosa, a fé e a resiliência são recursos poderosos para reduzir o medo e fortalecer a coragem. No curso oferecido pela Universidade de Yale sobre a ciência do bem-estar, um dos temas é a capacidade de descobrir forças internas que são acionadas quando nos colocamos diante de desafios. Somos mais resilientes do que imaginamos!

Ana Cláudia Arantes – Como envelhecer:

https://www.youtube.com/watch?v=zcj5DVTciIw&feature=youtu.be

Yale University: The Science of Well-Being.

https://www.coursera.org/learn/the-science-of-well-being/

 

 

Projeto arara azul no Pantanal

Sempre que possível, gosto de nutrir minha esperança viajando pelo Brasil para conhecer projetos que dão certo. Dessa vez, fui ao Pantanal (MS), na região de Aquidauana, para uma fazenda que faz parte de um projeto de recuperação de araras azuis e tamanduás.

232.jpg

É bom ver o projeto bem sucedido de recuperação de araras azuis no Pantanal.

Quatro dias de imersão total na natureza, acordando às cinco da manhã com centenas de pássaros e as araras azuis em palmeiras próximas. Às seis, desfile de pássaros em frente ao salão do café da manhã, encantando a todos nós, incluindo um grupo de dez europeus observadores de pássaros com enormes binóculos e potentes teleobjetivas, anotando meticulosamente o nome dos que conseguiam ver, entre as mais de trezentas espécies na área da fazenda.

No decorrer dos quatro dias, em caminhadas, passeios em jipe, charrete e barco pelo rio Aquidauana, conseguimos ver pica-pau, cardeal, cafezinho (jaçanã), curicaca, maçarico real, colhereiro, tuiuiú, ema, seriema, garça branca, marreca cabocla, carcará, aracuã, urutau, quero-quero, anu branco, fogo apagou, bem-te-vi, noivinha, joão de barro, cavalaria, canário da terra, chupim, sabiá, gralha picança, papagaio, periquito, tucano, gavião caboclo.  De animais, jacaré, capivara, veado campeiro, tatu-pebam, lobinho, cotia, quati, macaco-prego, porco do mato, jararaca, tamanduá-bandeira e muito gado de corte. Há onças, mas não é fácil avistá-las.

257

A elegância do tuiuiú.

Pôr do sol deslumbrante, uma árvore com milhares de garças brancas se preparando para dormir, uma enorme lua cheia, céu estrelado, pancadas de chuva antes do período habitual, árvores belíssimas. Porém, não há escolas na área: a prefeitura manda ônibus buscar as crianças, que acordam às quatro da manhã e retornam no início da tarde. Nem todas as escolas dão almoço.

157

Bem ao fundo, a árvore repleta de garças brancas.

Um dos guias, da tribo terena, conta que, na aldeia próxima à fazenda, há uma escola que ensina a língua terena às crianças. Há ônibus que buscam os jovens universitários da tribo à tarde e os levam de volta em torno da meia-noite. Há o costume de usar ervas medicinais e de amamentar os bebês. Porém, as parteiras deixaram de ser requisitadas: as mulheres vão para os hospitais em Aquidauana, a 50 quilômetros de lá.

 

O impacto das tragédias em nossas vidas

093

Tragédias pessoais e coletivas refletem o ciclo de destruição-reconstrução.

Quase todos lembram onde estavam quando sofremos coletivamente o impacto do 11 de setembro, que inaugurou a era do medo dos ataques terroristas. Conversando com um grupo de amigos sobre o tema das tragédias, falamos também da campanha Setembro amarelo, do CVV, que alerta para a importância da prevenção ao suicídio. A atenção à mudança de comportamento da pessoa que progressivamente perde a esperança e acentua o desespero de não ver outra saída a não ser terminar com a própria vida pode motivar acolhimento e ações eficazes para prevenir essa tragédia.

Alguns participantes, eu inclusive, falaram do impacto do suicídio na família. Meu avô materno, em dificuldades financeiras, se suicidou quando minha mãe tinha apenas onze anos. Ela frequentemente falava sobre esse trauma nunca superado. Outros relembraram casos do noticiário em que uma pessoa matou toda a família e, em seguida, se suicidou. Não viu outra saída para solucionar seus problemas.

Por outro lado, falamos sobre muitas histórias de reconstrução e novo sentido da vida a partir de uma tragédia. Assisti, há algum tempo, a apresentação do Instituto Dimicuida para alertar crianças, adolescentes e famílias sobre as “brincadeiras perigosas” na internet. Esse trabalho foi iniciado pelo pai de um adolescente, que morreu asfixiado ao praticar o “jogo do desmaio”, com a missão de preservar a vida de outros jovens.

A reconstrução, junto com a solidariedade, surge também como resposta a tragédias que impactam um grande número de pessoas, como enchentes, furacões e outras catástrofes naturais ou provocadas pela ação humana. Alguns relembraram as ações de reconstrução no Japão, após a tragédia de Hiroshima e Nagasaki e, mais recentemente, da que aconteceu com o reator nuclear em Fukushima. Conversamos também sobre a tragédia do atual e crescente fluxo migratório de milhões de pessoas, que necessitam de acolhimento e compaixão dos países mais favorecidos.

A natureza também se reconstrói misteriosamente após grandes tragédias. Trinta anos após o acidente nuclear de Chernobyl, em que toda a população da cidade teve que ser evacuada devido à intensa radiação, a vida selvagem floresce, com plantas e o retorno de grandes animais e muitos pássaros. Fênix ressurge das cinzas!

As ações de prevenção são muito importantes, assim como a possibilidade de alertar populações para tragédias naturais iminentes. Proteger casas e estocar mantimentos quando um furacão se aproxima, construir prédios que oscilam levemente para não serem destruídos por terremotos são algumas ações que minimizam danos e motivam solidariedade para prestar socorro quando necessário.

Há tragédias que passam de uma geração a outra, perpetuando um ciclo de pobreza e carência de oportunidades, que deveriam inspirar políticas públicas mais eficazes. É o que acontece quando vemos a situação de muitas comunidades em que há alto índice de gravidez precoce e não planejada (por vezes em várias gerações das mesmas famílias), abandono, violência intrafamiliar, aliciamento de crianças e jovens para o tráfico de drogas e para a prostituição.

Diante das tragédias, além da solidariedade e da compaixão que precisam ser oferecidas, é preciso contar com a força da resiliência – pessoal, familiar, comunitária – que propicia a criação de recursos para enfrentar enormes adversidades.

Invejar, admirar, almejar

IMG_20180911_102545953

As “cores” do que sentimos se mesclam dentro de nós, e podem abrir ou fechar caminhos de vida.

Muitos casos de bullying são motivados pela inveja daqueles que, por acharem que não conseguirão se equiparar à pessoa invejada em termos de beleza, inteligência ou competência, a atacam impiedosamente, provocando grande sofrimento. Lembro-me de um caso em que a adolescente foi imobilizada por duas colegas no banheiro da escola enquanto uma terceira passava a tesoura no cabelo comprido que tanto despertava inveja. Em equipes de trabalho, a pessoa invejada por sua competência pode ser alvo de perseguição e ataques à sua reputação por meio de mensagens difamatórias amplamente compartilhadas nas redes sociais.

Na conversa com o grupo de amigos o tema invejar, almejar, admirar deu margem a reflexões interessantes, incluindo relatos de casos sobre a emissão de energia negativa que seca plantas invejadas – o “olho de seca-pimenteira”.

As fronteiras entre invejar, almejar e admirar são fluidas. Há quem fale em “admireja”, para se referir à dificuldade de demarcar o território entre admirar e invejar. Uma das participantes relatou que, quando menina, tinha uma amiga que estudava em escola americana. Ela se sentia inferiorizada porque não sabia falar inglês. Porém, passou a almejar a aprendizagem de idiomas. Atualmente, fala sete com fluência. Invejar passou a ser almejar e, com dedicação, superou a meta.

Quando a pessoa se enreda na teia da inveja paralisa o próprio progresso e destrói oportunidades de vida. Há alguns anos, passei por uma situação constrangedora. Quando menina, por ser a mais alta do grupo, sempre era escolhida para coroar a imagem de Nossa Senhora na festa da igreja, vestida de anjo. Quarenta anos depois, após ter participado de um programa de televisão, recebi um telefonema de uma mulher dizendo que passou a vida toda me invejando porque nunca conseguiu coroar Nossa Senhora. Fiquei pasma, sem saber o que dizer. Lamentei o quanto essa pessoa se prejudicou colocando essa inveja em lugar de destaque em sua vida…

Como terapeuta de casais e de família, vi muitos casos de inveja da mãe pela juventude da filha, revelando sua dificuldade de envelhecer. Entre irmãos, em que a inveja se mistura com ciúme e raiva, motivando ataques para derrubar o outro, como se estivessem brincando de gangorra. Em casais, quando um não suporta o crescimento do outro porque se sente inferior, inseguro e com medo de perda, e, então, tenta sabotar o progresso do outro em vez de cuidar de abrir seus próprios caminhos.

O exercício da gratidão inibe a inveja: valorizamos e agradecemos o que temos em vez de nos torturarmos porque não temos o que os outros possuem, estabelecendo comparações desfavoráveis, como acontece tão comumente quando passeamos pela linha do tempo das redes sociais.

Por outro lado, a admiração pode inspirar o esforço para trilhar caminhos semelhantes ao da pessoa admirada. “Quero ser tão competente como ele”. Muitos alunos elegem professores como figuras de referência. E há professores que admiram alguns alunos pela clareza de raciocínio ou pela capacidade de liderança.

“Não quero que meu filho se frustre!”

193

Para desenvolver habilidades como a de quem fez essa gravura japonesa é preciso, além de talento, paciência e persistência.

Ao colocar a criança na redoma da superproteção, perde-se a noção não só da inevitabilidade como do valor da frustração para fortalecer a resiliência e a capacidade de criar alternativas quando aquilo que desejamos não se concretiza.

Aprender a lidar com a frustração fortalece a persistência para não desistir facilmente diante dos obstáculos. Isso também ajuda a valorizar o erro como fonte de aprendizagem, e não como uma ameaça à autoconfiança.

Em conversa com os professores de uma escola, ouvi que muitos pais não querem que o filho se frustre, nem que perca nos jogos, tire uma nota baixa ou sinta ciúmes do bebê que nasceu. Talvez isso decorra da falsa noção de que felicidade é sinônimo de ausência de problemas. No entanto, os estudos sobre o tema mostram que a construção da felicidade tem mais a ver com a capacidade de consolidar uma serenidade interior até mesmo em épocas turbulentas.

No decorrer da vida, é inevitavelmente frustrante cair quando se tenta dar os primeiros passos, quando começa a andar de bicicleta sem as rodinhas de apoio, quando escreve as primeiras letras, quando leva um fora do primeiro amor, quando estuda para o vestibular e não consegue se classificar, quando a empresa encolhe a equipe e a pessoa está entre os demitidos.

Lidar com a frustração ajuda a valorizar os pequenos progressos no caminho de construir novas habilidades que demandam paciência para treinar ao praticar um esporte ou tocar um instrumento musical. É impossível ter o mesmo desempenho dos “ídolos” do futebol ou da guitarra sem percorrer um longo caminho para desenvolver essas habilidades. Manter a automotivação para não desistir diante das dificuldades é indispensável ao progresso.

Há pais que questionam os professores quando os colegas do filho já aprenderam a ler ou fazem desenhos mais elaborados. Essa comparação constante angustia os pais e os impedem de considerar as variações da normalidade e a diversidade das competências. Ninguém é supercompetente em tudo. Faz parte do autoconhecimento perceber em que áreas somos mais capazes para investir em expandi-las e em que áreas somos incompetentes para aceitar essas limitações.

Perguntas reflexivas são úteis no diálogo entre professores e pais: “Como vocês aprenderam a lidar com as frustrações”? “Que benefícios o filho de vocês teria caso fosse possível evitar frustrações”? “Considerando que as frustrações são inevitáveis e até mesmo necessárias, como vocês lidam com isso com seus filhos”?

Essas perguntas reflexivas são um convite para que as famílias se esforcem para aprimorar a parceria com a escola, em vez criar expectativas e fazer cobranças de que a equipe escolar seja a principal responsável pela educação de crianças e adolescentes.

Desenvolvendo a competência socioemocional

070

É preciso cultivar as competências socioemocionais com carinho, paciência e persistência, como para fazer um belo jardim como esse que fotografei na Holanda.

Querem que seus filhos e alunos façam boas escolhas, tomem decisões com responsabilidade, saibam resolver problemas e conflitos que surgem, consigam cultivar bons relacionamentos, lidem bem com suas emoções, tenham persistência para vencer obstáculos, se comuniquem com clareza e respeitem as pessoas?

Essas são as principais competências socioemocionais. E por que desenvolver tudo isso é indispensável para viver bem no século XXI?

Estamos na era da grande transição, delineando um futuro ainda imprevisível, com rápida evolução da tecnologia e da inteligência artificial. Muitas das profissões que hoje existem deixarão de existir ainda não sabemos que profissões existirão em duas décadas. Por isso, é preciso preparar as crianças desde cedo para a capacidade de ajustar-se às mudanças, construir a resiliência para lidar com frustrações e cenários adversos e ter flexibilidade mental para criar alternativas viáveis.

A neurociência nos mostra que a arquitetura cerebral é fortemente influenciada pela qualidade dos vínculos com pessoas significativas. Desde o início da vida, esses vínculos formam uma base sólida ou frágil que terá repercussões no desenvolvimento futuro, refletindo em aprendizagem, comportamento e saúde.

As inúmeras situações do dia a dia na família e na escola são oportunidades de desenvolver as competências socioemocionais, consideradas como recursos essenciais para enfrentar os desafios deste século.

Alguns exemplos práticos:

  • Empatia – reforçar a percepção do impacto de ações da criança sobre os outros: “Quando você arranca o brinquedo da mão do seu amigo, ele fica chateado e zangado com você”.
  • Criar soluções – estimular a criança e o adolescente a assumir responsabilidade e criar automotivação, em vez de logo aplicar castigos (“Vou tirar do futebol e confiscar o celular”) que intensificam a raiva e podem fortalecer a resistência: “Você não está indo bem na escola, tem estudado pouco. O que fazer para melhorar seu rendimento? Vamos pensar e fazer um plano de estudos mais eficiente”?
  • Gerenciamento de conflitos – nas brigas entre irmãos, em vez de se colocar no papel de juiz que aplicará as “sentenças”, convidar a criar alternativas para encontrar soluções satisfatórias para ambas as partes: “Se um começou, o outro continuou. Então a briga é dos dois. Vamos criar boas ideias para resolver o problema”!
  • Segunda oportunidade – diante de respostas grosseiras, estimular a conduta de reparação e a reflexão sobre a forma equivocada de se comunicar: “Aposto que você consegue dizer a mesma coisa de modo mais respeitoso”.
  • Revisão de comportamento inadequado – passada a “tempestade emocional”, reconstruir o ocorrido para imaginar desfechos mais adequados: “Ontem de manhã, você perdeu o controle, me xingou e me tratou de um modo inaceitável. E eu também perdi a paciência e me irritei muito com você. Vamos pensar como poderíamos ter conduzido melhor o que aconteceu”.

As competências socioemocionais podem ser desenvolvidas por toda a vida. Sempre há a possibilidade de aprimorar o autoconhecimento, perceber nossos pontos fracos e fortes, reconhecer o que sentimos e como reagimos. Desse modo, aprendemos com os erros e selecionamos a expressão adequada do que sentimos, possibilitando a construção de bons relacionamentos.

O convívio cotidiano com filhos e alunos nos oferecem oportunidades valiosas de desenvolvimento pessoal.