Arquivo da categoria: desenvolvimento pessoal

Renovação

367

No ciclo da vida, precisamos nos renovar para desabrochar (Fotografei em Amsterdam).

As células de nosso organismo passam por ciclos de renovação, cujos períodos variam de acordo com a função que exercem nos diversos órgãos. No desenvolvimento pessoal, precisamos nos renovar para abrir caminhos de vida ou para expandir e atualizar os que queremos manter.

Conversando sobre esse tema com um grupo de amigos, um deles, com 30 anos de casado, comentou: “Meu casamento continua ótimo porque vivo me casando com a mesma mulher e ela comigo. Nem eu nem ela somos exatamente os mesmos de quando nos conhecemos. As experiências da vida, a chegada dos filhos, os problemas que enfrentamos, o amadurecimento, tudo contribui para nossas mudanças. Mas sempre escolhemos ficar um com o outro”.

Acompanhar o desenvolvimento de cada filho também nos renova. “Criei todos os filhos da mesma maneira” é um mito, porque com a chegada de cada um toda a rede de relacionamentos da família se modifica. Como trabalhei por alguns anos acompanhando famílias de bebês internados em UTI Neonatal, vi a importância da renovação da esperança, nos ciclos de melhora-piora das condições clínicas em situações de maior gravidade.

Uma participante comentou: “Trabalho há mais de 30 anos como professora universitária. Estou sempre me renovando nesse contato com os alunos, ensinando e aprendendo com eles. Com a avalanche de informações disponíveis, a função do professor precisa ser profundamente renovada: de transmissor de conhecimentos para consultor, orientador, que contribui para que os alunos utilizem ferramentas de pesquisa com espírito crítico para filtrar o que é relevante e integrar as diversas fontes de informação.

Na época em que vivemos, quem não renova e atualiza constantemente seus conhecimentos corre o risco de ficar fora do mercado de trabalho. É preciso inovar, renovar, ousar, empreender. Diversos psicoterapeutas que participaram da conversa comentaram sobre a renovação do olhar sobre acontecimentos presentes e passados, estimulada pelo processo terapêutico para “reescrever” histórias e descobrir novos significados.

Para mim, uma das palestras mais surpreendentes foi em um evento para 1200 pessoas entre 50 e 90 anos, participantes de projetos de qualidade de vida. Falei sobre mudança do olhar e de projetos de vida e convidei o público para dar depoimentos sobre renovação de projetos. Vários falaram sobre a oportunidade de desenvolver novas habilidades após a aposentadoria que resultaram em trabalhos completamente diferentes dos anteriores ou que abriram espaço de lazer criativo. Com isso, muitos saíram da depressão e encontraram um novo sentido na vida. Como disse uma participante: “Agora a farmácia tem prejuízo comigo! Depois que passei a frequentar esses grupos, nunca mais fiquei doente”.

Com o aumento da expectativa de vida, podemos viver várias vidas em uma só. No entanto, há pessoas que, por insegurança e por medo da mudança, não se renovam: cristalizam padrões de comportamento e de relacionamento que se repetem indefinidamente. Neles ficam aprisionadas e, com isso, tornam-se pessoas entediadas e entediantes. Pouco evoluem, sufocam a curiosidade que renova nossa busca por conhecimentos e até mesmo por aventuras. Vida é mudança e renovação!

Anúncios

Maternidades

ilha-grande.jpg

Alegria, felicidade, preocupação, raiva, tristeza: tudo faz parte desse amor profundo e transformador que pavimenta as trilhas das maternidades (Fotografei em Ilha Grande, RJ).

O psicanalista inglês Donald Winnicott escreveu sobre o conceito de “mãe suficientemente boa”. Eu costumo dizer que maternidade e paternidade é uma balança de créditos e débitos. Os filhos não precisam de pais perfeitos, e sim de pais humanos e amorosos, em constante processo de aprendizagem, e os erros fazem parte do caminho.

No entanto, há décadas observo milhares de mães prisioneiras do sentimento de culpa e de exigências cruéis impostas a si mesmas. Não se sentem “mães suficientemente boas” por não estarem “sempre” com os filhos porque trabalham e/ou estudam, porque não contam com a contribuição (financeira ou de presença) do pai, porque acham entediante sentar para brincar com os filhos pequenos e por muitos outros motivos. Olham com lente de aumento para suas supostas deficiências e sentem dificuldade de valorizar os aspectos positivos de seus vínculos. Por outro lado, há as que não se dão conta das reais necessidades de seus filhos, que anseiam por um olhar atencioso de seus pais mergulhados em seus celulares mesmo quando tentam fazer uma refeição em conjunto ou quando saem para passear.

De onde vem esse ímã de culpa e de exigência que grudam em tantas mães? As pesquisadoras Kniebiehler e Fouquet mostram que a exaltação da imagem materna liga-se à Virgem Maria, que concebeu sem pecado, ou seja, sem sexo. Desse modo, a noção de pureza, caridade, humildade, renúncia e dedicação vincula-se à imagem de maternidade santificada. No entanto, no século XVI, na Europa, predominava o costume de confiar o recém-nascido a uma ama, que ama­mentava e cuidava de crianças durante os primeiros anos de vida. No século XVII, ter um filho fora do casamento acarretava grandes problemas e, com isso, muitas mulheres recorriam ao aborto, ao abandono e ao infanticídio. Pesquisadores como Ariès e Badinter concluíram que o amor materno não é um instinto, mas um sentimento que, como todos os demais, está sujeito a imperfeições, oscilações e modifica­ções.

No final do século XVIII, a exaltação do amor materno entrou no discurso filosófico, médico e político. Assim iniciou-se o processo intimidar e culpar as jovens mães: a recusa de amamentar e a tentativa de abortar passaram a ser consideradas condutas criminosas. No século XX, especialmente sob a influência da psi­canálise, reforçou-se a tendência a responsabilizar a mãe pelas dificuldades e problemas dos filhos.

Mas o que observamos, na prática? As maternidades acontecem de várias formas e evoluem por caminhos diversos. O filho pode ser fruto do amor entre um homem e uma mulher que engravidam com o desejo; pode vir “por acaso” em adolescentes ou em decorrência de um relacionamento passageiro; pode surgir a partir do amor entre duas mulheres que recorrem à inseminação; o vínculo amoroso pode ser tecido por mulheres que adotam crianças e adolescentes ou pelas que assumem o compromisso de amar e de cuidar dos filhos de parceiros/as nas “famílias mosaico”.

Acompanhar o crescimento dos filhos revela possibilidades e dificuldades das maternidades. A emoção de perceber a evolução das crianças, mesmo as que apresentam problemas graves, a alegria de constatar que os filhos são capazes de fazer boas escolhas em seus caminhos de vida, e a apreensão de constatar que nem sempre essas escolhas correspondem aos desejos dos pais. Alegria, felicidade, preocupação, raiva, tristeza: tudo faz parte desse amor profundo e transformador que pavimenta as trilhas das maternidades.

O poder do pensamento positivo

100

Que tipo de pensamentos e sentimentos armazenamos dentro de nós? (Fotografei em Inhotim, MG).

A neurociência oferece uma nova perspectiva para o que antes era visto como autoajuda. Treine sua mente, mude seu cérebro. As conexões neuronais são feitas e refeitas “do berço ao túmulo”, como disse o neurocientista Dan Siegel ao escrever sobre “neuroplasticidade autodirigida”: o tipo de pensamentos que nutrimos e a qualidade de nossos relacionamentos modelam nosso cérebro.

Desde os primórdios da humanidade, por uma questão de sobrevivência, nosso cérebro está programado para registrar, primordialmente, as experiências negativas. É o que possibilita uma reação rápida de lutar ou fugir diante dos perigos. O neurocientista Rick Hanson usa uma imagem interessante para desenvolver esse conceito: as experiências negativas grudam na memória como velcro, as positivas escorregam como teflon. Porém, para construir um acervo de boas lembranças, é preciso saborear os bons momentos com muita intensidade. Isso nos prepara para manter serenidade e bem-estar mesmo em épocas difíceis da vida.

Na conversa com um grupo de amigos sobre esse tema, algumas reflexões se destacaram:

Cultivar pensamento positivo não é otimismo ingênuo, achar que sempre está tudo ótimo, que vai dar tudo certo e, então, deixar de se preparar para diversos cenários. Da mesma forma que resiliência não é se conformar com os problemas, é força para enfrentar as adversidades. É vislumbrar possibilidades e ser proativo na busca de recursos.

Pensar positivo é ter desejos, metas, pegar leve, cultivar alegria e bom humor, fazer acontecer, estar sempre disposto a aprender e a reformular o que for necessário.

Nesse grupo, alguns participantes estão com mais de oitenta anos e, portanto, enfrentaram períodos difíceis em suas vidas. Alguns comentários: não há dia sem noite, a vida se apresenta com desafios, dificuldades. É preciso ter força de superação, não se deixar abater por pensamentos negativos do tipo não vai dar certo mesmo, não tem jeito.

Pensamento positivo também vale para a coletividade. Diante da situação atual, não só no Brasil como no mundo, é grande o número de pessoas pensando que tudo está perdido, e que ficará cada vez pior. Esse modo de pensar paralisa, desanima, bloqueia ações construtivas. Que tal agir, em vez de se queixar e reclamar? Juntar- se com pessoas (na família, no trabalho, na comunidade) para gerar ideias para atacar os problemas.

Uma das participantes sugeriu criar um canal de notícias boas nas redes sociais. A repetição exaustiva de notícias “ruins” estimula um clima coletivo de desalento e desesperança. Como disse outra participante: “Não adianta brigar com a realidade, ela sempre vence”. O importante é agir, dentro do alcance de cada um, para modificar o que é possível.

Como usamos nossa energia vital? Para reclamar, se queixar, explodir de raiva e nutrir o ódio em mensagens intermináveis pelas redes sociais? Em vez de se exaurir desperdiçando essa energia preciosa, que tal planejar ações que possam contribuir positivamente para melhorar a própria vida e a de outras pessoas? Nas palavras do médico Jon Kabat-Zinn: Não é possível parar as ondas, mas podemos aprender a surfar.

Mulher: Tempo de criar, espaço de viver, liberdade de amar

DSC01539

Que as etapas do ciclo da vida nos façam florescer. Quando chegar o momento final, voltaremos a fertilizar o solo. (Fotografei em Sydney, Austrália)

Mulher,

nas profundezas do seu ser

estão a transcendência,

o milagre,

a grande alquimia,

a própria noção do infinito.

 

É preciso que você

honre seu corpo,

com seus ritmos, ciclos e passagens

que vão deixando os registros

dos tempos vividos.

 

Que você, mulher, deixe crescer

asas e raízes,

para ter firmeza e consistência

e, ao mesmo tempo, a leveza

para fluir pela vida,

ligada com a terra e com o céu.

 

Mulher, acredite

que quase nada está sob controle;

o tempo flui, passa e faz passar.

Nas emoções, nos sentimentos,

nos fluidos humores

estão incrustados perpétuos movimentos,

as fases da lua,

o vaivém das marés,

a grandiosidade dos mares.

 

Que você, mulher,

possa amar e se deixar amar,

respeitar e se fazer respeitar,

apreciando e sendo apreciada,

deixando expandir,

dentro e ao redor de si,

a chama amorosa.

 

Gestar-se,

nascer de si mesma,

infinitas vezes,

em múltiplos seres

dentro do mesmo ser.

 

Que você encontre, mulher,

no mergulho interior,

a sabedoria que sugere caminhos

mesmo em tempos de dúvidas,

incertezas e encruzilhadas,

em que você se vê partida

entre escolhas e dores,

entre o impulso do desejo

e a consciência da ponderação.

 

Cataclismo, reviravolta, reversão.

Mergulho em águas densas, turvas,

no desmoronamento do mundo

até então construído.

Desilusões, traições, decepções,

gerando mudanças e revisões.

 

Deixar morrer para renascer,

encontrar sentido

em sofrimentos sem sentido.

Que você possa, mulher,

também pela dor

criar algo novo,

a partir das rupturas,

das perdas,

de passagens e travessias.

 

Quando parece que nada sobrou,

alguma coisa renasce;

quando parece que a força acabou,

uma nova força aparece.

No mergulho fundo na dor,

algo se cria.

Não precisa ser amargura,

nem rancor,

nem mágoas eternas.

 

 

É bom deixar passar,

atravessar dores e lutas,

demolir e reconstruir.

Sofrimento eterno

não é destino de ninguém.

 

Saber esperar, aguardar,

domar a pressa e os impulsos,

suportar privações e provações.

E ter fé.

Mesmo de cabeça para baixo,

na beira do abismo,

há saídas.

 

Mulher, cada qualidade

pode expandir-se

na harmonia e na distorção.

O poder

Não precisa se vestir de tirania;

a raiva

não precisa se pintar de violência.

Não maltrate,

não se deixe maltratar.

Nem por você mesma.

 

Mulher, que você se complemente,

com seus pares e parceiros,

que encontre as trocas

fora do domínio

da dominação e da submissão,

neutralizando e transcendendo

a inveja, a rixa,

a competição crua e cruel.

Companheira e cúmplice,

solidária, sem ser servil.

 

E, então, surge o equilíbrio

fluido, delicado e sutil,

porém forte e resistente.

É a maturidade, a sabedoria,

é a força da delicadeza

a firmeza da serenidade.

Na experiência acumulada,

a capacidade de ver mais longe,

mesmo quando os olhos já precisam de auxílio.

 

Mulher, o mundo é seu,

você é do mundo.

A vida é sua,

você é da Vida.

Celebrar a criação,

a eterna busca

de evolução,

com as mulheres irmanadas,

pelo mundo afora.

 

Que cada mulher encontre

dentro de si

A Mulher e O Homem

Para lutar por direitos iguais

respeitando as diferenças,

descobrindo o poder de combinar

suavidade e força,

levando paz, harmonia e beleza

na grande viagem da vida.

 

É preciso ser amiga do tempo,

para conquistar o espaço.

 

Mulheres sábias e força interior

IMG_20180104_074745

A força interior está oculta nas raízes mais profundas, de cuja existência nem sempre temos consciência. (Fotografei em Itatiaia, RJ).

“Ser jovem enquanto velha, velha enquanto jovem” é o interessante subtítulo do livro A ciranda das mulheres sábias da psicanalista junguiana Clarissa Pinkola Estés.

Eu já havia lido alguns de seus outros livros, como o renomado Mulheres que correm com os lobos e O jardineiro que tinha fé. Como ela tem se dedicado a atender famílias sobreviventes ao ataque terrorista de 11 de setembro nos EUA, mergulhou fundo na percepção da existência de forças interiores para fazer face a grandes dificuldades que encontramos pelos caminhos da vida.

Embora ela se concentre em analisar a psique feminina, minha experiência como psicoterapeuta mostra que o encontro da força interior acontece em pessoas, independentemente do gênero.

Alguns temas do livro que mais me chamaram a atenção:

  • A expressão “ser jovem enquanto velha e velha enquanto jovem” representa o trabalho de desenvolvimento pessoal no sentido de integrar os paradoxos, mantendo-os em equilíbrio. Esses paradoxos incluem, entre outras coisas, acumular sabedoria e estar aberta a novos conhecimentos, ser ousada e precavida, tradicional e original. Essa contínua integração é um convite a viver a vida plenamente.
  • O espírito permanece jovem na maturidade, no sentido de preservar a curiosidade e a criatividade presentes desde a infância, enquanto se acumula experiência e sabedoria. Nas palavras da autora: “Numa psique equilibrada, essas duas forças, o espírito jovem e a alma velha e sábia, se mantêm num abraço em que mutuamente se reforçam”.
  • Problemas e dificuldades que enfrentamos no decorrer da vida podem se transformar em combustível para avançar na caminhada com vigor, permitindo ver mais longe e se curar das feridas.
  • Um conceito importante, nas palavras da autora: “Nunca subestime a resistência da velha sábia. Apesar de ser arrasada ou tratada injustamente, ela tem outro eu, um eu primordial, radiante e incorruptível, por baixo do eu que sofre os ataques – um eu iluminado que permanece incólume para sempre”.
  • A Dra. Estés constrói uma imagem magnífica para exemplificar a importância de buscar essa força interior: “Por baixo da terra, a árvore venerável abriga uma árvore oculta, feita de raízes vitais constantemente nutridas por águas invisíveis”.
  • Compreender isso a fundo é importante para trabalhar com pessoas vítimas de abusos e outras atrocidades. A grande vida poderá brotar dos profundos ferimentos para que a pessoa consiga novamente florescer ao encontrar novas forças e recompor a integridade perdida na construção de uma vida com significado e com amor profundo.

Por que comemos?

IMG_20170812_112916

Festa de cores e sabores nessa feira que fotografei em Campina Grande (PB).

Comemos para viver ou vivemos para comer? O que nos motiva a ingerir alimentos, nem sempre saudáveis? Comemos quando estamos com fome, mas também por sentir prazer ao saborear uma deliciosa refeição, selecionamos alimentos que beneficiam a saúde ou comemos o que nos apetece mesmo que nos faça mal. Comemos para aliviar a ansiedade ou quando estamos entediados, para celebrar ocasiões especiais, para conversar com as pessoas de quem gostamos.

No curso online “The Science of Nutrition”, oferecido por Future Learn,  em parceria com The Open University, “Por que comemos e o que comemos” é o primeiro tópico abordado. Na interação, com pessoas de diversos países, há comentários interessantes sobre os diversos motivos que nos levam a comer, além da necessidade biológica: “Meu grande problema é comer para aliviar o estresse. Há fases em que sinto que só a comida me faz sentir bem”. “Para mim, é um acontecimento de família: gosto de preparar o jantar para conversar sobre como foi o dia de cada um e sobre vários temas que surgem, com TV e celulares desligados”. “Todos os meus colegas se reúnem na sala dos professores na hora do recreio. É a hora para rir um pouco ou desabafar problemas que temos em sala de aula”.

Outro item abordado por este curso é o apelo aos sentidos, que desperta o apetite e estimula a gula: nos supermercados, a padaria ocupa uma posição estratégica para que o cheiro de pão fresco e outras iguarias se espalhe por toda a loja. Livros de culinária e embalagens de produtos, assim como a divulgação de restaurantes, mostram pratos tentadores que nos induzem a consumi-los. O som do churrasco sendo preparado também pode ser irresistível. Portanto, estimular olfato, visão, audição e tato conduz ao paladar. “Antes de colocar a comida na boca, costumo comer com os olhos. Por isso, capricho no visual das refeições que preparo, mesmo quando vou comer sozinha”.

As emoções exercem grande influência no ato de comer. Há quem coma compulsivamente na tentativa de preencher buracos internos de carência amorosa, para aliviar tristeza, desconsolo, frustração. “Acabo abusando dos doces, a vida está tão amarga”…

A qualidade das interações e a influência da propaganda também influem não só na quantidade quando na escolha do que comemos. O documentário “Muito além do peso”, da Maria Farinha Filmes apresenta entrevistas com famílias de crianças obesas mostrando um padrão de relação familiar marcado pela permissividade com relação aos desejos de consumo das crianças, que ficam furiosas quando contrariadas. O Instituto Alana, parceiro deste filme, trabalha o tema da influência nociva dos anúncios dirigidos às crianças que, por sua vez, insistem com os adultos da família para comprarem os produtos desejados (cheios de corantes, gorduras e calorias, sem o menor valor nutritivo). Esse é um problema de saúde pública: é grande o número de crianças brasileiras que estão acima do peso e aumenta a incidência de diabetes e doenças cardiovasculares nessa etapa da vida.

É preciso comer para viver. Mas, entre escolhas e renúncias, podemos aprender a saborear refeições deliciosas que mantenham nossa saúde e bem-estar!

 

Muito além do peso – documentário produzido por Maria Farinha Filmes e Instituto Alana: https://www.youtube.com/watch?v=8UGe5GiHCT4

 

“The Science of Nutrition”, curso oferecido por Future Learn,  em parceria com The Open University:

https://www.futurelearn.com/courses/the-science-of-nutrition/

Estresse: o que é bom, o que é ruim

123

Cientistas japoneses recomendam “banho de floresta” como terapia antiestresse. (Fotografei na Costa Rica).

No decorrer da vida, todos nós passamos por situações de estresse. Quando percebemos perigo ou ameaça, nosso corpo automaticamente se prepara para lutar ou fugir: os batimentos cardíacos se aceleram, há maior liberação de adrenalina e cortisol, mais sangue disponível para os músculos e para o cérebro. Isso é indispensável para nossa sobrevivência.

O “bom estresse” é o “friozinho na barriga” que ajuda a concentração para enfrentar uma apresentação em público, a prova para o vestibular ou a entrevista de seleção para um emprego. Em doses altas, pode prejudicar o desempenho e “dar um branco” que nos paralisa. Quando termina a situação estressante, o organismo volta ao estado normal.

O “estresse ruim” é o que se prolonga, mesmo quando o fator estressante não está mais presente. Isso acontece no estresse pós-traumático, em que o fato passado invade o presente e a pessoa revive o episódio traumático continuamente. O estresse crônico também se estabelece quando a situação estressante é contínua. Isso acontece em relacionamentos abusivos, infelizmente tão comuns nos casos de violência intrafamiliar.

O estresse ruim ou crônico prejudica a saúde: há pessoas que passam a ter insônia, baixa da imunologia, perturbações digestivas, dores de cabeça frequentes, dificuldades de concentração, irritabilidade, pressão alta, depressão, síndrome do pânico. Com a situação estressante prolongada, o corpo não consegue retornar ao estado de não-estresse. Os níveis de adrenalina e cortisol, por exemplo, continuam elevados.

No entanto, como o corpo se prepara para lutar ou fugir do perigo ou ameaça que percebemos, é possível trabalhar nossa mente para perceber algumas situações estressantes como desafios e não como ameaças. Quando conseguimos mudar nosso olhar, o medo transforma-se em motivação para desenvolver os recursos necessários para lidar com a situação.

Há casos em que é possível mudar de rumo fazendo outras escolhas como, por exemplo, abandonar um trabalho estressante ou reduzir a carga horária redimensionando o orçamento para viver com mais tranquilidade embora com menores rendimentos. Simplificar a vida, praticar a partilha das tarefas domésticas para evitar a sobrecarga, fazer uma revisão do cotidiano para melhor gerenciar o tempo para incluir a prática de atividades físicas, cuidar bem da qualidade do sono e da alimentação, criar o hábito de respirar fundo algumas vezes ao dia para aliviar a tensão, meditar e entrar em contato com a natureza, cultivar a alegria.

O depoimento de um motorista que entrevistei para meu livro “Construindo a felicidade” mostra como é possível evitar o estresse crônico: “Meu trabalho é cansativo, em média oito horas de estrada por dia, mas gosto de conversar com as pessoas que transporto de um lugar para outro. Além disso, procuro me reequilibrar apreciando a natureza: acordo bem cedo, pego a bicicleta até uma mata para ouvir o canto dos pássaros e contemplar as árvores. Aí volto, pego o carro e vou para a estrada com muita disposição”.