Arquivo da tag: criatividade

A coragem como base da vulnerabilidade

IMG_5315

Quando confundimos vulnerabilidade com fragilidade deixamos ver ligações e raízes mais profundas que sustentam nossas forças (Fotografei no Jardim Botânico-RJ).

Vulnerabilidade não é sinônimo de fraqueza. É um risco emocional, quando a pessoa decide se expor, e encarar a incerteza dos resultados. Nesse sentido, é a medida mais precisa da coragem de se revelar ao mostrar um novo trabalho, divulgar ideias próprias. É a base da inovação, da criatividade e da mudança. Criar e inovar é fazer algo que não havia sido feito antes. E reconhecer a própria vulnerabilidade ajuda a ter flexibilidade para se ajustar às mudanças.

Essas ideias estão contidas na excelente palestra TED de Brené Brown, da Universidade de Houston, que há anos faz pesquisas sobre vulnerabilidade e vergonha.

Concordo com ela. O “friozinho na barriga” antes de uma palestra ou do lançamento de um livro é uma expressão da vulnerabilidade, que estava ligada à coragem e ao prazer de criar algo não convencional (como, por exemplo, usar minhas composições musicais nas palestras ou encenar um dos meus livros). Como isso será recebido pelo público? A vulnerabilidade se aliou ao desejo de ser mãe. Nas duas gestações, a força e a alegria de abrigar a vida em meu corpo e a dúvida de como eu seria como mãe de cada um deles.

Mas há outros aspectos da vulnerabilidade que não dependem da nossa escolha em se expor e se aventurar em novos territórios. Li uma matéria na revista da United Airlines entrevistando diversos profissionais sobre o tema. Para a terapeuta de casais Esther Perel, a vulnerabilidade, além de existir dentro de nós, existe também na tecnologia e na sociedade (como por exemplo, perseguição e ataques a pessoas de religiões, etnias ou orientação sexual não aceitas pela maioria de um país). Sempre há a possibilidade de sermos atacados física ou emocionalmente. Entre os casais, é comum um ou ambos se sentirem vulneráveis quando revelam aspectos de si mesmos que os envergonham ou que não apreciam. Mas é justamente esse o caminho para aprofundar o relacionamento.

O escritor Tavis Smiley enfatiza que a maioria das pessoas vê a vulnerabilidade no sentido pejorativo, como fraqueza e não como força. Muitos se defendem para não correr o risco de serem rejeitados mas, desse modo, fecham muitas portas na vida e nos relacionamentos.

O termo “famílias em situação de vulnerabilidade social” é entendido, inclusive por muitos profissionais que prestam assistência a essa população, como sinônimo de desestruturação, precariedade, desequilíbrio. A habitação pode ser precária, a renda familiar pode ser insuficiente para prover o mínimo necessário, os relacionamentos podem ser conflituosos mas é muito importante reconhecer os recursos que as pessoas e as famílias utilizam para lidar com a “vulnerabilidade social” e trabalhar para fortalecer e expandir esses recursos. Isso eu aprendi no trabalho voluntário que tenho feito há décadas em algumas ONGs.

Que a gente consiga abraçar nossa vulnerabilidade para dela extrair a criatividade e a ousadia de viver!

A palestra TED de Brené Brown: https://www.ted.com/talks/brene_brown_listening_to_shame

Anúncios

A arte em nossas vidas

Califórnia 029

Com elementos simples, como a areia e as pedras desse jardim japonês que fotografei em San Francisco (CA), é possível construir uma bela obra de arte.

“Podemos fazer da nossa vida uma obra de arte” – disse uma participante do grupo que conversou sobre esse tema.

“Mesmo em situações de precariedade e de extrema dificuldade é importante buscar a beleza” – agregou outra participante.

“Qualquer trabalho pode ser feito com arte. Na época em que ainda era comum engraxar sapatos, conheci um engraxate que conquistava os clientes com a qualidade do seu trabalho e com a arte da boa conversa”; “E eu me encantei com uma cozinheira que enfeita os pratos com flores comestíveis”; “Eu estava em um vilarejo do interior e meu tênis se abriu. O sapateiro que me indicaram fez um trabalho artesanal da costura tão perfeito, que continuo usando o tênis até hoje e já se passaram quatro anos”! – foram comentários de outros participantes.

A arte pode transformar vidas. A conversa com um grupo de educadores após uma palestra contou com alguns depoimentos emocionantes, como o dessa professora de uma turma de alfabetização de jovens e adultos. “A violência era a linguagem predominante. Eu entrava na sala assustada, sem me sentir capaz de lidar com jovens tão agressivos. Até que, um dia, decidi falar sobre poesia. Um deles, alto e musculoso, perguntou se poderia ler o que ele havia escrito. Era um poema muito expressivo sobre a crueldade cotidiana na comunidade em que vivia. Esse foi o ponto de partida para uma transformação significativa daquele grupo. A arte, a sensibilidade e a afetividade foram, pouco a pouco, predominando sobre a linguagem da violência”.

Conheço projetos de escolas em comunidades com alto índice de violência que, ao abrirem nos fins de semana com a proposta de oferecer atividades artísticas e esportivas, propiciaram trocas de saberes entre alunos, famílias e comunidades, transformando a rede de relacionamentos de modo significativo, incluindo mutirões para restaurar áreas degradadas, organizar hortas comunitárias, grafitar muros.

A psiquiatra Nise da Silveira ousou tratar esquizofrênicos com amor e arte, em contraposição aos métodos tradicionais da época, como a lobotomia e o eletrochoque. A musicoterapia abre caminhos para tratar de problemas emocionais. A arte trata e cura.

Para colocar arte em nossas vidas é preciso exercitar a curiosidade, a criatividade e a ousadia. O medo da crítica dos outros, de sermos vistos como pessoas ridículas e uma autocrítica impiedosa tolhem essa possibilidade.

Escolhas pouco convencionais

074

Escolhas ousadas me revelaram novos horizontes. (Fotografei em Cayman).

Em 2016, completo 45 anos de trabalho como psicóloga. Meu caminho tem sido marcado por escolhas pouco convencionais, desde o momento em que decidi estudar Psicologia.

Fiz essa escolha quando, com 14 anos, li um livro sobre psicologia da adolescência. A profissão acabava de ser regulamentada no Brasil. Meus pais acharam essa escolha bem estranha, gostariam que eu estudasse Medicina.

Assim que terminei a graduação na PUC-RIO, comecei a dar aulas, atender em consultório e cursar o Mestrado em Psicologia, também na PUC-RIO. A grande maioria dos projetos de tese era sobre psicanálise. Escolhi pesquisar sobre psicologia da gravidez e abordar a importância da prevenção. Não havia bibliografia disponível no Brasil e nem professores para me orientar nesse tema. Como surgiu a oportunidade de passar alguns meses nos Estados Unidos, passei dias inteiros na biblioteca da Universidade de Harvard. Voltei para o Brasil com uma mala cheia de livros e de fotocópias de artigos em revistas especializadas. Ainda não havia internet…

Comecei a trabalhar com grupos de gestantes em consultório e em hospitais públicos, e a fazer grupos de reflexão sobre a tarefa assistencial com profissionais de saúde, com uma abordagem pioneira.

Psicologia da gravidez foi meu primeiro livro, voltado para estudantes e profissionais da área da saúde, bem acolhido até hoje, em suas várias atualizações. Fico feliz por saber que esse trabalho inspirou muita gente a atuar com as “famílias grávidas”!

Como gosto de abrir caminhos e de aprender coisas novas, continuei ousando no trabalho com casais e famílias, e publiquei muitos livros sobre relacionamento familiar e desenvolvimento pessoal. E, então, por volta dos 40 anos, veio o desejo de escrever ficção para adolescentes, criando histórias que abordavam diferentes vertentes da construção da paz.

A transição da escrita de não ficção para a ficção não foi fácil, mas se revelou muito prazerosa. Os sambas dos corações partidos é o sexto livro dessa série, e, com isso atingi a marca de 40 livros publicados. Pretendo escrever muitos outros!

A transição para a ficção (que não me impediu de continuar escrevendo livros de não-ficção) ocorreu no mesmo período em que ampliei meu trabalho como palestrante e, para isso, me aprofundei no campo das artes, com cursos de teatro e continuidade do estudo de música. Essa liberdade criativa inspirou outras escolhas pouco convencionais: compor músicas para minhas palestras e lançar o primeiro livro-show do mercado editorial brasileiro (Nas trilhas da vida, em parceria com o músico Itiberê Zwarg).

Escolhas ousadas e pouco convencionais em outras áreas da vida também envolveram riscos, mas sempre me inspiraram muito entusiasmo e força para enfrentar os desafios de sair das “zonas de conforto” e descortinar novos horizontes!

 

 

Na tela da fantasia

Uma bela escultura que fotografei em Inhotim (MG)

Uma bela escultura que fotografei em Inhotim (MG)

Ao reler O menino do espelho, de Fernando Sabino, após ver o filme, apreciei a mescla entre lembranças da infância e ficção na narrativa desse escritor “que nasceu homem e morreu menino”. Histórias de uma época em que as telas da TV, do videogame, do iPad e do celular ainda não existiam para roubar espaço da tela da fantasia.

Do livro: “Descalço, pouco me incomodando com a lama em que meus pés se afundavam, gostava de abrir regos para que as poças d’água, como pequeninos lagos, escorressem pelo declive do terreiro, formando o  que  para  mim  era  um caudaloso  rio.  E me distraía fazendo descer por ele barquinhos de papel, que eram grandes caravelas de piratas”.

Ken Robinson, na palestra TED “Como as escolas matam a criatividade”, diz que o mundo precisa cada vez mais de pessoas criativas e inovadoras. E afirma que estimular a criatividade é tão importante quanto alfabetizar. Cita Picasso, que acreditava que todas as crianças são artistas, e questiona: Por que não ensinar dança com a mesma ênfase dedicada ao ensino da matemática?

Quem não está preparado para errar não consegue ser ousado para criar, e as escolas convencionais não lidam bem com o erro. Ken Robinson argumenta que, em geral, as escolas estão voltadas para preparar os alunos para a universidade. Os que são muito criativos se sentem peixes fora d´água no contexto da escola convencional. Porém, com a proliferação das universidades, cresce o número de pessoas com diplomas que não encontram emprego. É preciso questionar alguns dos princípios fundamentais da educação.

Lee Iacocca, considerado como um dos mais competentes CEOs do mundo, afirma que a capacidade de liderança pode ser aprendida. Como características principais do líder eficaz, destaca: curiosidade, criatividade, coragem para sair da “zona de conforto” e gerar ideias “fora da caixa”, capacidade de se comunicar com clareza, habilidade para gerenciar crises. As crianças pequenas são espontâneas, curiosas e criativas. É imensa a responsabilidade da parceria família-escola no sentido de estimular a expansão dessas características, em vez de tolhê-las em currículos engessados e em sucessivas tentativas de enquadrá-las nos moldes convencionais do “é assim que deve ser”.

Referências:

Sabino, Fernando. O menino no espelho, Rio de Janeiro: Ed. Record.

TED Talk com Ken Robinson – How schools kill creativity em:

https://www.ted.com/playlists/171/the_20_most_popular_talks_of_a?awesm=on.ted.com_s01RX&utm_source=direct-on.ted.com&utm_medium=on.ted.com-twitter&utm_content=awesm-publisher&utm_campaign=

Iacocca, Lee and Catherine Whitney.   Where Have All the Leaders Gone?   New York: Scribner, 2007.