Arquivo da tag: desenvolvimento sustentável

Comunidades no coração da Amazônia

012

A pousada Uacari, em Mamirauá.

Cinco dias em Mamirauá , a primeira Reserva de Desenvolvimento Sustentável brasileira, criada em 1996, me fizeram mergulhar em cenário de extrema beleza na época da cheia, em que a locomoção só é possível por barcos e canoas.

Com cerca de um milhão de hectares, a 600 km a oeste de Manaus, Mamirauá é também um centro de pesquisas sobre a biodiversidade, coordenado pelo Instituto Mamirauá, em Tefé (AM). Com pouco menos de uma hora de lancha, chega-se à Pousada Uacari, flutuando no Médio Solimões, que gera emprego e renda para as pessoas das comunidades situadas dentro da Reserva. Parte da renda gerada pela pousada destina-se ao financiamento de projetos comunitários e da vigilância ambiental da área.

Incrível ver a capacidade de adaptação ao contexto: formigas e cupins fazem suas casas no alto das árvores porque, na cheia, o rio sobe até 12 metros. Nas saídas de barco foi possível observar preguiças, diversos tipos de macacos, mucura xixica (marsupial que come as flores da munguba), iguanas, botos, jacarés, inúmeros pássaros e aves (martim-pescador, maritacas, periquitos, papagaios, surucunã de coleira, alicorne, jaçanã, arirana vermelha, cigana, gaviões).

033

A floresta alagada, nos seis meses de cheia.

Lamentei não poder nadar no rio, cheio de jacarés, piranhas e outros seres. Mas gostei de, nas canoas, tomar banho de chuva que cai torrencialmente por pouco tempo. E de entrar de canoa pela floresta alagada, com cipós enormes formando esculturas naturais, um santuário. É emocionante sair de barco à noite, ouvindo os sons da floresta, contemplando o céu estrelado e reverenciando toda essa grandeza.

047

O guia comunitário João, falando sobre o vida na comunidade São José.

Uma das saídas foi para visitar a comunidade São José. João, o guia comunitário, falou sobre a história e o estilo de vida do grupo, composto por treze famílias, sendo 27 crianças. Na década de 1970, “vieram os padres para estimular a gente a construir as casas próximas umas das outras para a gente se organizar” – conta ele. Cada comunidade tem um estatuto e elege um presidente por quatro anos. As decisões são tomadas pelo grupo.

Para cuidar da saúde, plantas medicinais. Uma agente de saúde visita semanalmente as comunidades e encaminha os casos que necessitam de atendimento especializado para um hospital em uma cidade que fica a meia hora de barco. As parturientes também são atendidas lá, não há mais a tradição de partos assistidos por parteiras.

Coletam água da chuva e a tratam com cloro para beber. A água do rio é para cozinhar, lavar, tomar banho. Não há tratamento de esgoto, nem internet, nem celular. Há um gerador a diesel, que funciona das 18 às 22hs.

Desde cedo, as crianças aprendem a nadar, remar e pescar. A comunidade conta com uma escola com uma única sala em que o professor dá aulas para crianças de 4 a 10 anos.

Sabedoria de um menino de sete anos, referindo-se ao grupo de visitantes: “Vocês falam demais! A gente precisa ouvir os pássaros, os bichos, as árvores”…

134

O fantástico pôr do sol no Lago Mamirauá, com sinfonia de pássaros.

No último dia, a saída de barco foi para contemplar o pôr do sol no lago Mamirauá, que tem dez quilômetros de extensão, cerca de 35 metros de profundidade e 280 metros de largura. Nunca seca, e a pesca é proibida. Foi onde se implantou uma Estação Ecológica, em 1986. Contemplar o pôr do sol neste lago é um espetáculo de cores e de canto dos pássaros.

Anúncios

Criar filhos em um mundo de incertezas

As novas gerações precisarão pensar soluções inovadoras para cuidar melhor da teia da vida. (Fotografei na Nova Zelândia).

As novas gerações precisarão criar soluções inovadoras para cuidar melhor da teia da vida. (Fotografei na Nova Zelândia).

No século XXI, sob muitos aspectos, vivemos em um mundo inseguro e imprevisível: enfrentamos desastres naturais, ataques terroristas, instabilidade econômica, imprevisibilidade. Precisamos criar estratégias para lidar com tudo isso, desenvolver a habilidade de pensar em soluções para os problemas, em vez de fugir deles. Cuidar dos vínculos na intimidade das famílias e no ambiente escolar constrói bons alicerces para a resiliência – a capacidade de enfrentar as adversidades sem se deixar abater e de encontrar saídas criativas para solucionar problemas.

Um documentário sobre a qualidade da educação na Finlândia, considerada uma das melhores do mundo, mostra que, lá, a escola pública de alta qualidade é oferecida a todas as crianças e adolescentes. O professor atua como um orientador, motivando os alunos a pesquisar e organizar as informações, estimulando as ideias inovadoras, o espírito empreedendor e a inteligência social. Precisamos que as novas gerações criem soluções para os múltiplos problemas que enfrentamos coletivamente, como a ameaça de esgotamento dos recursos naturais, o excesso de poluição e o crescente fluxo migratório, entre outros.

Um documento da UNESCO ressalta o valor da educação, mesmo em condições precárias como as encontradas nos acampamentos de refugiados, para abrir perspectivas de construir um futuro melhor e aliviar o estresse emocional de viver em contextos de grandes perdas e extrema instabilidade.

As novas gerações precisarão redefinir  o modelo de progresso econômico rumo a um desenvolvimento sustentável e integral, como tão bem mostrou o Papa Francisco na encíclica Laudato Si. Criar filhos em um mundo de incertezas significa também consolidar a educação em valores, em especial o respeito pela teia da vida e pela família humana que compartilha a mesma casa planetária, fortalecendo a compaixão e o espírito de partilha.

Uma pesquisa feita em 40 países desenvolvidos pelo Pew Reserch Center revela que, embora os pais desejem um futuro feliz e seguro para seus filhos, a maioria das pessoas entrevistadas acha que as futuras gerações enfrentarão  maiores dificuldades financeiras do que as atuais, considerando o contexto econômico recessivo pelo qual passamos. Isso demandará uma profunda revisão de hábitos de consumo, para que seja possível aprender a viver melhor com menos, como preconizam os adeptos da simplicidade voluntária.

https://www.youtube.com/watch?v=WeMM-hL0KFY&spfreload=1

http://www.unicef.org/teachers/protection/instability.htm

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html

https://agenda.weforum.org/2015/08/how-optimistic-are-parents-about-their-childrens-financial-future/?utm_content=buffer0289d&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer