Arquivo da tag: inveja

Invejar, admirar, almejar

IMG_20180911_102545953

As “cores” do que sentimos se mesclam dentro de nós, e podem abrir ou fechar caminhos de vida.

Muitos casos de bullying são motivados pela inveja daqueles que, por acharem que não conseguirão se equiparar à pessoa invejada em termos de beleza, inteligência ou competência, a atacam impiedosamente, provocando grande sofrimento. Lembro-me de um caso em que a adolescente foi imobilizada por duas colegas no banheiro da escola enquanto uma terceira passava a tesoura no cabelo comprido que tanto despertava inveja. Em equipes de trabalho, a pessoa invejada por sua competência pode ser alvo de perseguição e ataques à sua reputação por meio de mensagens difamatórias amplamente compartilhadas nas redes sociais.

Na conversa com o grupo de amigos o tema invejar, almejar, admirar deu margem a reflexões interessantes, incluindo relatos de casos sobre a emissão de energia negativa que seca plantas invejadas – o “olho de seca-pimenteira”.

As fronteiras entre invejar, almejar e admirar são fluidas. Há quem fale em “admireja”, para se referir à dificuldade de demarcar o território entre admirar e invejar. Uma das participantes relatou que, quando menina, tinha uma amiga que estudava em escola americana. Ela se sentia inferiorizada porque não sabia falar inglês. Porém, passou a almejar a aprendizagem de idiomas. Atualmente, fala sete com fluência. Invejar passou a ser almejar e, com dedicação, superou a meta.

Quando a pessoa se enreda na teia da inveja paralisa o próprio progresso e destrói oportunidades de vida. Há alguns anos, passei por uma situação constrangedora. Quando menina, por ser a mais alta do grupo, sempre era escolhida para coroar a imagem de Nossa Senhora na festa da igreja, vestida de anjo. Quarenta anos depois, após ter participado de um programa de televisão, recebi um telefonema de uma mulher dizendo que passou a vida toda me invejando porque nunca conseguiu coroar Nossa Senhora. Fiquei pasma, sem saber o que dizer. Lamentei o quanto essa pessoa se prejudicou colocando essa inveja em lugar de destaque em sua vida…

Como terapeuta de casais e de família, vi muitos casos de inveja da mãe pela juventude da filha, revelando sua dificuldade de envelhecer. Entre irmãos, em que a inveja se mistura com ciúme e raiva, motivando ataques para derrubar o outro, como se estivessem brincando de gangorra. Em casais, quando um não suporta o crescimento do outro porque se sente inferior, inseguro e com medo de perda, e, então, tenta sabotar o progresso do outro em vez de cuidar de abrir seus próprios caminhos.

O exercício da gratidão inibe a inveja: valorizamos e agradecemos o que temos em vez de nos torturarmos porque não temos o que os outros possuem, estabelecendo comparações desfavoráveis, como acontece tão comumente quando passeamos pela linha do tempo das redes sociais.

Por outro lado, a admiração pode inspirar o esforço para trilhar caminhos semelhantes ao da pessoa admirada. “Quero ser tão competente como ele”. Muitos alunos elegem professores como figuras de referência. E há professores que admiram alguns alunos pela clareza de raciocínio ou pela capacidade de liderança.

Anúncios

Encrenca

img_4845.jpg

Não é fácil se aproximar de gente que usa os espinhos da “encrenca” (Fotografei no Jardim Botânico, RJ).

Conheço pessoas que gostam de ficar em evidência criando confusão, tecendo intrigas, colocando uns contra os outros. É uma espécie de prazer perverso, que confere o poder de atazanar a vida dos outros.

Quando trabalho com professores, muitos trazem questões envolvendo o relacionamento entre alunos. Os que são escolhidos como alvos pelos “encrenqueiros” são atingidos por fofocas, boatos, agressões verbais pesadas, tudo amplificado nas trocas de mensagens e nas postagens em redes sociais. “É liberdade de expressão: se eu não gosto dessa menina, tenho direito de mostrar isso como eu quiser” – é o argumento mais comum, que confunde franqueza com grosseria. “Ouvi dizer e espalhei” – sem a menor preocupação com relação à veracidade da informação, em uma época de avalanche de notícias falsas atualmente chamadas de “fatos alternativos” ou “pós-verdades”. É árduo o trabalho de desenvolver na garotada a empatia e a habilidade de expressar o que pensa e sente sem humilhar e maltratar os outros.

Professores da Educação Infantil, em especial, relatam dificuldades no relacionamento com as famílias que atuam como adversárias da equipe escolar, em vez de construir a parceria necessária. As “mães do whatsapp” fotografam de imediato a mordida que o coleguinha deu no filho, compartilham com a rede tecendo críticas demolidoras à escola que nada fez, estimulando a onda de indignação coletiva, reclamações nem sempre pertinentes, porque não consideram que essa manifestação de raiva entre crianças pequenas acontece de modo tão instantâneo que nem sempre é possível evitar. Mas revela a importância de começar a trabalhar a solução não-violenta de conflitos desde cedo.

Nas famílias, a encrenca acontece, por exemplo, entre irmãos. Ciúme e competição pelo lugar de destaque motivam a “brincadeira da gangorra”: para ficar por cima, precisa colocar o outro para baixo. “Ele me bateu” e o mais velho é repreendido e castigado porque ninguém percebeu a sutil provocação do mais novo que deflagrou a raiva do irmão. Tensões entre sogras e noras, competição entre cunhados também geram intrigas e mal-entendidos que fazem um “trabalho de cupim” corroendo as estruturas dos relacionamentos na família extensa. Isso revela a necessidade de mediadores de conflitos que possam neutralizar as ações do “espírito de porco” e restaurar a convivência razoavelmente harmoniosa entre todos.

No âmbito do trabalho, a inveja e a competição motivam encrencas destinadas a derrubar os que são vistos como adversários. Alianças com os que ocupam cargos mais altos na hierarquia, disseminação de notícias falsas, vale tudo para “destruir a concorrência”. Isso acaba criando mal-estar na equipe. Trabalhar no sentido de aprimorar a própria competência sem precisar apagar o brilho do outro e elaborar noções básicas de ética nas relações de trabalho são as ações necessárias.