Arquivo da tag: oportunidade

Internet: Riscos e oportunidades

19298748-2bd0-4cbf-99e5-929172faa4c9

Fotografei este ângulo do Museu do Amanhã (RJ) onde houve uma ótima troca de ideias sobre o uso da tecnologia.

Falei sobre cyberbullying no III Encontro Internacional sobre o Uso de Tecnologias no dia 21/11 no Museu do Amanhã e assisti a apresentação de outros palestrantes. Uma síntese das ideias que mais apreciei:

  • É grande a sedução do espaço virtual. O que vem por aí? Os algoritmos já definem muita coisa para as pessoas. Como ficarão os direitos humanos na era da robótica? Com a rápida evolução da tecnologia todos nós precisamos aprender a usufruir dos benefícios e a se proteger dos riscos. O consumismo está muito enraizado em crianças e adolescentes, assim como o imediatismo, o individualismo e o relativismo (“tudo é verdade”) – Solange Barros (SP).
  • Há 20 anos os computadores foram colocados em escolas públicas, mas não houve orientação adequada sobre ética e uso saudável da tecnologia. As políticas públicas de inclusão digital não foram acompanhadas pela devida formação reflexiva e crítica. O uso excessivo da tecnologia promove dificuldade de concentração em sala de aula e desmotivação pela escola – Cineiva Tono (PR).
  • A violência está onipresente na rede, gerando insensibilidade. A realidade virtual e a aumentada fazem parte de nossa vida, gerando uma percepção mista das diferentes realidades nas crianças de hoje que vivenciam uma imersão completa nesse universo. Comparar-se com os colegas com mais curtidas e seguidores faz com que muitos se sintam inferiorizados. Como é construir a autoestima de acordo com esses critérios? – Cajetan Luna (Los Angeles).
  • O CETIC desenvolve pesquisas sobre o uso da internet por pessoas entre 09 e 17 anos, para ver como lidam com riscos e oportunidades. Pelos dados de 2016, 82% das pessoas nessa faixa etária são usuários. A questão é como transformar riscos em oportunidades no uso da internet pelo trabalho de mediação ativa (encorajar a pesquisa livre na internet e desenvolver habilidades para lidar com os riscos) – Maria Eugênia Sozio (SP).
  • A Safernet defende os direitos humanos e a liberdade na internet há 11 anos, incentivando a busca do equilíbrio entre liberdade e proteção. Liberdade com conhecimento aumenta a capacidade de fazer boas escolhas. Essa ONG também oferece orientação psicológica mediada pela tecnologia, além de material impresso para promover o letramento digital para ser um cidadão em um mundo cada vez mais digital – Rodrigo Nejm (BA).
  • O foco do Instituto Dimicuida é informar sobre brincadeiras perigosas, como o desafio do desmaio, que resultam em lesões pela falta de oxigenação do cérebro ou em morte por asfixia. Sempre surgem novos desafios, com vídeos que mostram o passo a passo, e os adolescentes não percebem o que pode acontecer. É preciso ficar alerta aos sinais: olhos vermelhos, dores de cabeça, desorientação, uso de roupas que cobrem as marcas do pescoço – Demétrio Jereissati (CE).

A rápida evolução da tecnologia, juntamente com outros fatores de mudança acelerada, torna o futuro imprevisível.

Anúncios

A arte de viver com arte

IMG_0185

Contemplar obras de arte e também a arte da natureza é um exercício do olhar (Fotografei em um museu em NY).

Podemos fazer da nossa vida uma obra de arte – assim definiu uma participante do grupo de conversa sobre esse tema. Como “esculpimos”, “pintamos” ou “compomos” cada dia?

Como despertamos a cada manhã? Com um mau-humor tenebroso, reclamando por ter de enfrentar mais um dia do trabalho ou da escola que odiamos? Como mais uma sequência de rotinas entediantes? Como mais um dia igual aos outros, depois que nos aposentamos, sem construir novos projetos ou interesses?

Consideramos cada dia como mais uma oportunidade? Para isso, é preciso nutrir a curiosidade, que nos permite explorar novas possibilidades, criar coisas novas, desenvolver talentos até então inexplorados.

Podemos desenvolver a atenção plena, segundo os princípios de “Mindfulness “: exercitar o foco de atenção no aqui e agora, evitando estragar o dia com ansiedades em relação ao futuro ou lamentações e frustração com o que passou. O que, na verdade, temos para viver é o momento presente. Podemos exercitar nosso olhar para captar a beleza das pequenas coisas do cotidiano, da natureza ao nosso redor, e não apenas para contemplar obras de arte nos museus.

Com o que estamos contribuindo para a coletividade? Há muitos jovens que, desde o início de sua vida profissional, buscam uma vida com propósito, para sentir que podem colaborar para que tudo funcione melhor. No mundo complexo, instável e imprevisível no qual estamos vivendo, é importante que famílias e escolas consigam educar as crianças desde cedo para a cooperação, promovendo a ética e os valores que sedimentam a boa convivência.

Viver com arte é tecer conexões, incentivar a colaboração para o bem-estar coletivo, “bordar” cada dia com esmero, valorizando os detalhes, saboreando os bons momentos. É deixar florescer a sensibilidade, o afeto, a intuição, abrir outros canais da mente e dos sentimentos, perceber sutilezas e matizes, encontrar a poesia no cotidiano, “enfeitar” a rotina para que ela não se transforme em tédio e em “mais do mesmo”.

Desperdício de oportunidades

033

A pessoa empreendedora fica atenta às oportunidades, faz acontecer e desabrocha suas potencialidades (Fotografei em Helsinque).

Uma empresária do ramo de alimentação comentou, perplexa: “Ultimamente, tenho encontrado muitas dificuldades para contratar pessoas. Apesar da alta taxa de desemprego no país, muitos desperdiçam a oportunidade de manter seus empregos. Fazem apenas o mínimo necessário, e há os mais atrevidos que simplesmente dizem que não vão fazer algumas das tarefas inerentes ao cargo. Dão a impressão de que não querem melhorar seu desempenho, apesar do treinamento que oferecemos”.

Há tempos, trabalhei como voluntária em um projeto social de preparação de jovens para o primeiro emprego. Alguns aproveitaram muito bem a oportunidade, tornaram-se mais responsáveis e comunicativos e conseguiram se colocar no mercado de trabalho. Outros foram dispensados do estágio oferecido por empresas parceiras do projeto porque chegavam atrasados ou faltavam sem justificativa, sentiam-se desmotivados para cumprir as tarefas propostas ou achavam que ser “esperto” era “tapear” e “fazer corpo mole” no trabalho.

Nem sempre o que falta é oportunidade. O que muitas vezes falta é perceber onde elas estão e aproveitá-las com garra, como parte de um caminho maior de desenvolvimento de nossas habilidades e competências. É caprichar no diferencial.

A capacidade empreendedora pode ser desenvolvida no decorrer da vida. As principais características da pessoa empreendedora são:

  • Transformar obstáculos em caminhos
  • Tolerar frustrações sem se deixar abater pelo desânimo
  • Perceber oportunidades e fazer acontecer
  • Fazer um planejamento eficiente e agir para alcançar seus objetivos
  • Considerar os erros como fonte de aprendizagem
  • Acreditar na possibilidade de construir o futuro

A oportunidade das crises

Observação atenta e serena do cenário para agir com precisão é uma postura eficaz para lidar com as crises. (Fotografei  em Fernando de Noronha, PE).

Observação atenta e serena do cenário para agir com precisão é uma postura eficaz para lidar com as crises. (Fotografei em Fernando de Noronha, PE).

Atravessar crises, individuais ou coletivas, envolve riscos e oportunidades. A crise rompe o equilíbrio vigente e nos coloca em busca de um novo equilíbrio. Portanto, a mudança é inevitável – para melhor ou para pior. Envolve perdas e ganhos, gerando a necessidade de criar novos recursos para enfrentar a situação.

Na travessia das crises, a pergunta-bússola é: O que posso fazer de melhor para abrir bons caminhos? “Reclam/ação” – em vez de nos afundarmos em desânimo e pessimismo, investimos energia em ações eficazes, observando o cenário com atenção e o máximo de serenidade possível.

É preciso refazer o orçamento, cortar custos e repensar o que é indispensável e o que é supérfluo? Podemos viver bem com menos recursos sendo mais criativos para criar estratégias de sobrevivência em cenários desfavoráveis.

Além das crises inevitáveis que a vida nos apresenta, há aquelas que criamos para nós mesmos quando cultivamos mágoas crônicas, atribuindo a outras pessoas a causa de nossa infelicidade ou criando a ilusão de que é possível ser bem-sucedido no amor ou no trabalho sem passar por episódios de fracasso e frustração. Persistência para vencer obstáculos e resiliência para enfrentar as dificuldades sem sair de cena são ferramentas indispensáveis para viver no mundo instável e imprevisível em que estamos.

Em vez da rigidez de condutas que há muitos deixaram de ser eficazes (se é que algum dia foram…), precisamos cultivar a flexibilidade para melhor nos ajustarmos a contextos de rápidas mudanças, que caracterizam o século XXI. Se o plano que consideramos ideal for inviável, precisamos formular outro mais adequado às circunstâncias presentes, em vez de sentar e chorar desconsoladamente ou ficar com raiva da vida que não nos oferece o que queremos.

Quando pensamos no caminho percorrido, podemos perceber a sucessão de obstáculos que já foram vencidos. Aprender a andar, a comer com as próprias mãos, a ler e escrever. Enfrentar experiências de rejeição e exclusão, de insegurança quanto à nossa competência, de arrependimento por escolhas que não trouxeram bons resultados. Tudo isso pode ampliar nossos recursos e reforçar a crença de que seremos capazes de continuar enfrentando novos desafios, refazendo metas, construindo sonhos e nos esforçando para concretizá-los.

Nas trilhas da vida vamos caminhando

Com sonhos e metas para alcançar

Encarando as dificuldades

Como desafios para enfrentar