Você vive na prisão das expectativas?

sky-1875450__340

“Percebi que vivi muito tempo da minha vida tentando preencher as expectativas dos outros. Consegui aprender a dizer Não e isso é libertador!”; “Como descobrir se uma expectativa é genuína ou imposta pela sociedade?”

Foram muitas perguntas e comentários sobre o que fazer com nossas expectativas, na Live que fiz com Josie Conti. O autoconhecimento, um processo que jamais termina porque somos todos uma “obra em progresso”, é a chave para conseguir diferenciar entre o que é nosso legítimo desejo (de ter ou não ter filhos, de escolher uma determinada profissão, de casar ou continuar na solteirice) e a “obrigação” de preencher expectativas dos outros (pais, amigos, a própria sociedade).

As expectativas impostas são um fardo pesado. Quando nos submetemos a elas tentando agradar os outros para sermos amados e reconhecidos não conseguimos nos sentir felizes, porque estamos traindo a nós mesmos. Por exemplo, quantas mulheres legitimamente não desejam ter filhos mas acabam engravidando porque são pressionadas pela crença de que a mulher só se realiza pela maternidade, pelo desejo do companheiro ou de sua própria mãe que quer ser avó?  Quantos jovens entram na universidade para preencher expectativas da família para que escolham uma determinada profissão que não corresponde ao seu legítimo desejo?

“Vivi 25 anos com o pai dos meus filhos, mas não me sentia feliz, estávamos juntos por causa das crianças, até que não aguentei mais e me separei”. Não é fácil romper essas amarras e gritar (sobretudo para si própria) “Não é isso o que eu quero”! A expectativa familiar/social de que o casamento deve durar “até que a morte vos separe”, a crença de que filhos de pais separados ficam traumatizados ou a ameaça de que é “ruim com ele, pior sem ele” dificultam um exame mais aprofundado da relação para chegar à conclusão de que está no fim do ciclo e que o melhor a fazer é se separar, para cada um seguir seu caminho, dissolvendo a relação conjugal e cuidando o melhor possível da relação parental.

É libertador desprender-se dessas expectativas para escolher o que realmente faz sentido para nós, mesmo que seja completamente fora do convencional.

“Estou há trinta anos em um relacionamento e é um ideal frustrado”; “Esperamos de uma pessoa algo que ela não pode nos dar”; “Paixão é tentar materializar em alguém nossas fantasias e depois descobrir que não era nada daquilo”; ”Esperamos o que jamais existiu”.  O que acontece é que às vezes nos aprisionamos tanto em nossas próprias expectativas que sobra pouco espaço para descobrir coisas boas e reais na outra pessoa. Para passar da paixão ou de um ideal fantasiado para o amor é preciso descobrir e gostar das semelhanças e das diferenças, da complementariedade que desenvolve o respeito e a aceitação das características de cada um.

“Sempre tendemos a colocar a felicidade em um ponto futuro”. Ao criar a expectativa intensa de alcançar o que ainda não temos,  não prestamos a devida atenção ao presente do presente, que é o que realmente temos. A felicidade está nos pequenos milagres do cotidiano, na capacidade de saborear os bons momentos e de cultivar a gratidão por tudo que chega até nós, inclusive os problemas, que nos permitem criar recursos para enfrentá-los.

Anúncios

Libere sua criatividade superando o medo!

8127be0e-975d-4cb9-929f-feb2061d335a

A zona de conforto é bem desconfortável! Foi o comentário de uma pessoa que assistiu à transmissão ao vivo sobre esse tema.  Sim, há muita gente que se obriga a permanecer em relações insatisfatórias, permanece em um trabalho frustrante, encolhe seu espaço vital porque o medo de sair de onde está é maior do que o desconforto. Pensamentos dominantes: Isso não vai dar certo, ruim com ele pior sem ele, não vou ser capaz de viver de outro modo.

Como psicoterapeuta, observo o conflito entre o desejo e o medo da mudança. Não é só o medo de que o território desconhecido seja pior do que o conhecido insatisfatório. É que mudar dá trabalho. Romper padrões estabelecidos para criar outras possibilidades, aventurar-se, correr riscos, expor-se às críticas, ao fracasso.

Fracasso, o que é isso?

O personagem Lewis, do filme A Família do Futuro é um menino inventor e, por isso, muitas de suas tentativas não dão certo. Ao constatar que mais um de seus aparelhos falhou ele, mortificado, pede desculpas e se surpreende ao ouvir: “Você fracassou! Sensacional! Maravilha! É fracassando que a gente aprende, com o sucesso a gente não aprende nada! Não desista, siga em frente!”

Pense nos inventores que conseguiram criar objetos revolucionários, como o automóvel, a lâmpada elétrica, o telefone, e milhões de outras coisas. Quantas tentativas e erros foram necessários até chegar ao produto final?

Para acertar é preciso errar e lidar com a frustração de não saber. Aprender a lidar com essa frustração fortalece a persistência para não desistir facilmente diante dos obstáculos. Isso também ajuda a valorizar o erro como fonte de aprendizagem, e não como uma ameaça à autoconfiança.

É preciso construir autoconfiança na própria capacidade de encarar desafios e propor coisas novas. Criar é ousar, apresentar algo inusitado. Pode ser uma receita nova, um livro, uma modalidade de trabalho. É arriscar-se, expor-se a ver que não deu certo como imaginávamos. Superar o medo da opinião dos outros, de ficar isolado se for muito diferente dos demais.

A criatividade dá cor e sabor à vida. Podemos desenvolver a criatividade nos relacionamentos para revitalizar o dia a dia, evitando o tédio e a acomodação do “mais do mesmo”. Arriscar-se a amar sem o medo de não dar certo ou de ressuscitar dores passadas. A vida é movimento e o fluxo de mudanças é inevitável, mesmo quando resistimos a isso. Conheço pessoas com medo de envelhecer (e de morrer, é claro) que fazem tudo para fingir que são jovens (esforço inútil e desnecessário), gastando muita energia nessa ilusão. Em contraposição, também conheço pessoas idosas que renovam seus projetos de vida, permanecem abertas à aprendizagem, ousam criar e vivem a plenitude de seus muitos anos.

Ô mãe, ô pai! O casal parental soterrou o homem e a mulher?

5ffc8878-6b0f-46eb-8b05-40cdc34ab516

Quantos casais passam a se chamar assim depois que os filhos nascem? Isso, na maioria das vezes, significa que a função de cuidar dos filhos passou a ser a prioridade número um, e a curtição do casal ficou em segundo (ou em terceiro) plano. A boa notícia é que isso não precisa acontecer! O desejo sexual não termina com a idade madura, desde que a nutrição do vínculo amoroso seja mantida.

Para início de conversa, por que isso acontece? As raízes da dissociação entre maternidade e sexualidade são milenares. Há dois arquétipos de figuras femininas que atuam no inconsciente coletivo: Eva e Maria. A primeira, a mulher que teve filhos mas é descrita como erotizada, sensual, pecadora, finalmente expulsa do Paraíso. A segunda, que “concebeu sem pecar” foi mãe sem fazer sexo.

Tradicionalmente, e isso acontece ainda com muitos homens, as mulheres são divididas entre “as para casar e ter filhos” e “as outras” (com quem podem desfrutar de diversas práticas sexuais). Além disso, o “corpo ideal” é o corpo magro, e, com isso, um grande número de mulheres sente dificuldade de conviver bem com seus corpos reais, tão diferentes das “blogueiras fitness” ou de outros ícones de beleza com suas fotos devidamente retocadas.

Com as mudanças do corpo grávido, muitas mulheres se sentem pouco atraentes, com o aumento do peso, do ventre, dos seios. Por outro lado, há as que se sentem plenas e poderosas, gestando uma vida em seu ventre, sensuais, erotizadas, integrando a mulher-fêmea com a mulher-mãe. E os homens, como olham para a mulher grávida? Muitos passam a tratá-la como “a mãe”, pela qual não sentem mais desejo e evitam o contato sexual. “Na medida em que minha barriga crescia, ele só me abraçava por trás, e não queria mais transar, dizendo que sentia medo de machucar o bebê com a penetração” – lamentou uma mulher no grupo de gestantes.

Porém, há homens que enxergam a companheira grávida como sensual e atraente, mantendo o desejo. Aproveitam as mudanças do corpo, especialmente no final da gravidez ou quando acontecem problemas que contraindicam a penetração, como oportunidades de desenvolver a criatividade para elaborar novas formas de fazer amor, expandindo a sensualidade e o erotismo, que poderão inspirá-los pela vida afora.

A família precisa fazer grandes adaptações para atender as necessidades do recém-nascido. Nas primeiras semanas após o parto, tradicionalmente chamado de “resguardo”, há profundas mudanças físicas e emocionais, em que o desejo sexual não fica em primeiro plano. Os primeiros passos para conhecer o bebê real, que pode ser bem diferente do bebê sonhado, domina o cenário. As adaptações e os ajustes são ainda maiores quando nascem gêmeos, bebês com questões especiais ou que precisam de internação em uma UTI Neonatal. O casal precisa nutrir o amor com carinho, colaboração, cumplicidade e contar com uma rede de apoio.

A natureza não dissocia maternidade e sexualidade: a ocitocina é um hormônio atuante nas contrações do trabalho de parto, na involução uterina pós-parto, na amamentação e no orgasmo feminino. Por isso, quando a mulher está amamentando é comum sair leite quando ela goza na transa sexual. Há homens que se constrangem com isso, pois dissociam o seio erótico do seio que nutre. Mas a natureza integra!

Com o passar do tempo, os filhos crescem, mas alguns pais conservam ações que se tornaram desnecessárias. Por exemplo, permitir que crianças maiores durmam na cama com os pais, ou manter a porta do quarto aberta “porque elas podem precisar de alguma coisa”. Como fica a intimidade do casal? Sim, há famílias que não dispõem de espaço físico para isso. E aí a criatividade precisa entrar em ação, juntamente com a nutrição do amor com companheirismo, gentileza, admiração, sedução.  Caso contrário, é grande o risco de cair na “burocracia doméstica” e na acomodação repetitiva (“é sempre do mesmo jeito”), em que a sexualidade e o erotismo ficam soterrados pela sobrecarga de trabalho e de cuidados com os filhos. Sobretudo, quando vem junto com cobranças, queixas e reclamações constantes. Isso mata o tesão!

Isso acontece em todos os tipos de organização familiar: mães solo que não contam com rede de apoio e precisam trabalhar ficam sobrecarregadas para cuidar de tudo, e algumas “arquivam” seu desejo sexual e a busca de parceria amorosa. Outras criam uma comunidade de mães solo que se revezam para cuidar dos filhos das outras, de modo que cada uma tenha um tempo reservado para ser mulher e não somente mãe. Nas “famílias-mosaico” com filhos moradores e visitantes, além dos ex-cônjuges, a nutrição amorosa do casal (hétero ou homoafetivo) é um desafio especial. “Combinados” para compartilhar os afazeres domésticos entre todos os que estão na casa é um modo de evitar a sobrecarga e a exaustão que atrapalham o encontro amoroso.

 

“Pai de rodinhas” ativo e amoroso

1fdb88fc-7bd0-40ab-a442-ed21d15d2246

Conheci Sérgio Nardini, o “Pai de rodinhas”, em um encontro de escritores e gostei de ouvir seu relato amoroso sobre sua transformação desencadeada pela paternidade, descrita em detalhes em seu livro. Ele tem uma patologia neuromuscular progressiva, o que o torna dependente de cuidados, inclusive para se alimentar. Mas isso não o impediu de estudar, trabalhar como artista plástico, nutrir boas amizades, casar-se e ter uma filha.

“Ser pai tem sido mergulhar de cabeça num admirável e apaixonante mundo desconhecido”. “Na verdade, eu quero e tento exercer a paternidade exatamente como eu acho que ela deve ser exercida: com responsabilidade e participação ativa”.

A força de vida que o impulsiona, juntamente com o bom humor, faz de Sérgio uma pessoa carismática, que inspira muita gente.  Extraí de seu livro algumas frases que convidam à reflexão:

  • A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional – serenidade nos dias de tormenta e alegria nos dias de sol.
  • Se não for possível ser feliz, esteja feliz!
  • Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.
  • A maior alquimia da vida é transformar simples momentos em grandes experiências.
  • Só há uma circunstância na vida em que você só segue adiante dando um passo para trás. É quando você está à beira de um abismo.

A questão é: Como é possível florescer como pessoa, mesmo em situações adversas?

Há tempos, li uma frase interessante: Diante das crises, você vai chorar ou vender lenços? O que fazemos com o que vida nos apresenta? Transformar dificuldades em oportunidades depende, fundamentalmente, da nossa atitude mental. Em síntese: não esmorecer diante das dificuldades.

Há uma grande diferença entre a postura de queixa/reclamação (“A vida foi injusta comigo”; “ninguém me dá oportunidades”) e a disposição de estar alerta para descobrir oportunidades, fazer novos projetos e criar recursos para realizá-los (“está difícil, mas não é impossível”).

“Depois que perdi tudo, o que me deixou no fundo do poço por um tempo, vi que preciso de pouco para viver bem” – ouvi de um ex-publicitário que atualmente trabalha como artista plástico em uma cidade do interior. Essa foi uma das dezenas de histórias de “crescimento pessoal pós-traumático”, que coletei no decorrer de dois anos, ao entrevistar 190 pessoas em mais de 20 cidades brasileiras para escrever meu livro “Construindo a felicidade”. O que há de comum nessas histórias? A capacidade de superação, o fortalecimento da resiliência para enfrentar as adversidades com disposição para buscar novos caminhos, utilizar habilidades para gerar trabalho quando se perde o emprego. Em síntese: fazer do limão uma saborosa limonada.

E mais: a atitude de fazer o melhor possível nas circunstâncias adversas melhora não apenas a vida da própria pessoa, mas de todos os que fazem parte do seu círculo de relações. Voltando ao “Pai de rodinhas”: sua filha, aos oito anos, cria mil jeitos de brincar com ele, de partilhar com alegria as atividades possíveis, e mostra a outras crianças como é se relacionar com um pai sem mobilidade física mas com plena capacidade de dar e receber amor.

Recomendo a leitura do livro! Pai de Rodinhas, de Sérgio Nardini, ed. Mogiana, 2019.

A relação com os filhos na linha do tempo

903636ff-75e8-41f8-aa4d-f96d9fdfe98f

É interessante acompanhar o processo que se inicia com cuidar do bebê, evolui para a reciprocidade de cuidados entre pais e filhos adultos até, eventualmente, entrar na fase de os pais precisarem receber  cuidados dos filhos, quando adoecem já em idade avançada.

Como esse processo nem sempre evolui tão favoravelmente, é importante ver quais aspectos dos relacionamentos, além do amor, precisam ser nutridos na linha do tempo para que isso aconteça.

A relação com cada filho é única, não só pelas diferenças entre eles como também porque chegam em momentos distintos da vida dos pais, modificados inclusive pelas experiências com os filhos anteriores. Mas, em geral, o que os pais mais desejam é que seus filhos cresçam sendo capazes de tomar conta de si mesmos e de fazer boas escolhas. O que nem sempre acontece…

Na grandeza dos pequenos momentos do cotidiano é feita a tecelagem dos vínculos na família, em suas diversas composições (pais casados ou não, separados, em novas uniões, etc) a estimular o respeito pelos outros, o autoconhecimento, a empatia, a cooperação. Todos aprendem uns com os outros, quando se aprimora a qualidade de escuta que incentiva o hábito de “decidir em conjunto” sempre que surgem divergências de desejos, necessidades e pontos de vista.

Os limites necessários podem convidar a criar alternativas possíveis (“Isso que você quer não dá, mas vamos descobrir o que você pode fazer”), os “combinados” promovem o respeito pelos acordos (“Lembre que você me disse que faria os deveres assim que acabasse esse vídeo! Então…”).

Na conversa com adolescentes em uma escola, conversávamos sobre respeito, e uma aluna me perguntou: “E quando os pais não respeitam os filhos?” De fato, respeito precisa ser uma via de mão dupla! Como psicoterapeuta de famílias, vejo famílias em que há excesso de crítica, depreciação, agressões verbais e físicas chegando ao ponto de inviabilizar um bom convívio. Muitas questões emocionais estão envolvidas nesses relacionamentos tão conflituados. Por exemplo: insegurança da mãe ao se ver envelhecer, ao passo que a filha desabrocha em beleza. A mistura de ciúme e inveja resulta em ataques maciços à autoestima da filha, em um contexto social que glorifica a beleza jovem. O pai que ataca impiedosamente o filho adolescente que se aliou à mãe após a separação do casal.

Canais de conversa preciosos se fecham quando predomina a dificuldade de “abrir o coração” para, desde que os filhos são pequenos, falar sobre o que percebemos que eles sentem e dizer o que sentimos com clareza, evitando as “palavras que batem” quando nos irritamos ou discordamos de alguns comportamentos. Na linha do tempo do relacionamento familiar, conhecer os outros e se conhecer é um processo interminável. Colocar limites, fazer “combinados”, decidir em conjunto são ações que nos levam a fazer revisões de nós mesmos e a nos modificarmos, na medida em que os filhos crescem e nos ensinam a lidar com eles.

“Combinados” entre pais e avós

d7d80ecd-59ca-4208-a5a7-fba4eb56e0de

Pergunta de uma participante da Live sobre Limites na educação: “Como colocar limites com os avós? Quando digo que não vou dar açúcar para meu filho até os dois anos minha mãe ri e me diz que eu comia açúcar de colher com nove meses e não morri por causa disso!”.

“Os pais educam, os avós deseducam”; “Em minha casa, meus netos fazem o que querem”; “Minha filha coloca regras muito rígidas, sinto pena da minha neta!” – ouço com frequência esses comentários por parte dos avós.

Por parte dos pais, escuto coisas do tipo: “Quando ele volta do final de semana com os avós, fica revoltado por ter que cumprir o que combinamos”; “Como minha sogra deixa minha filha ficar no Ipad o tempo todo, a menina diz que só a avó a ama de verdade”; “Moro com minha mãe e meu filho de três anos: ela diz que criou muito bem os cinco filhos e eu não posso dizer como eu gostaria que ela me ajudasse a educá-lo”.

Inevitavelmente, haverá discordâncias entre os próprios pais, assim como entre pais e avós, sobre como lidar com crianças e adolescentes em situações do dia a dia.  Embora todos desejem que filhos e netos cresçam bem, o modo de lidar com eles difere. A questão é: Como se concentrar nas semelhanças das abordagens e como aparar as arestas das diferenças?

Os conflitos surgem justamente a partir das diferentes opiniões, visões sobre educação, crenças e valores. Construir acordos demanda a habilidade de escutar respeitosamente os diversos pontos de vista, conseguir expressar com clareza os próprios pensamentos para, então, tecer em conjunto uma terceira via, que não será exatamente o que cada um propõe mas que poderá ser pelo menos razoável para ambas as partes.

A fronteira entre ajuda e interferência nem sempre é fácil de delimitar. Se é certo que os jovens pais são inexperientes para cuidar de seu primeiro filho, é certo também que só aprenderão com a prática. Há avós que desautorizam e/ou desqualificam os pais em função de terem mais experiência. Mas eles também foram inexperientes, e precisaram aprender!

É muito importante que as pessoas da família consigam construir uma boa qualidade de relação afetiva com crianças e adolescentes para que estes se sintam amados, acolhidos e bem cuidados. Diferenças e divergências são inevitáveis, mas a busca de consenso e a construção de “combinados” básicos é essencial. Isso não significa que os adultos responsáveis precisem atuar como “frente unida” o tempo todo. As crianças entendem que o que é permitido/proibido na casa da vovó, do papai, da titia e dos amigos tem variações e, desde cedo, desenvolvem estratégias para conseguir fazer o que querem nos diversos contextos. Mas é perfeitamente possível esclarecer, por exemplo, que “a vovó permite que você faça isso quando está com ela, mas aqui em casa a história é outra, acabou seu “tempo de tela” hoje. Escolha outra coisa para fazer”.

Mulher, mãe e profissional – O equilíbrio difícil, porém possível

221982a7-2ad0-467e-a02a-b1daba680311

“Não tenho tempo para mim!” Muitas mulheres que não conseguem cuidar de si mesmas se queixam da sobrecarga de tarefas: ainda é forte a carga social que exige ótimo desempenho em suas múltiplas funções. Há quem acredite que “é da natureza da mulher servir os outros”.

Tradicionalmente, a mulher tinha essa “missão” de cuidar da casa, do marido e dos filhos. No livro “Correio para mulheres”, que reúne textos que Clarice Lispector escrevia para jornais da década de 1960, encontramos conselhos do tipo: “ Cuidado na maneira como trata seu marido! Pense no que será perdê-lo…e faça-lhe as vontades”( p.98). “Uma mulher que recebe o chefe do seu lar com um ar cansado, e desfiando a ele um rosário de lamúrias sobre seus problemas caseiros, brigas com as empregadas e as malcriações dos filhos está entediando o marido e só conseguirá que ele se aborreça” (p.111).

Ao trabalhar fora de casa, encara a “dupla jornada”. Dados coletados em lares brasileiros em 2019 pelo IBGE mostram que as mulheres gastam, em média, 21,3 horas semanais cuidando dos afazeres domésticos e de pessoas, ao passo que os homens gastam, em média, 10,9 por semana. A saída? Romper com os padrões tradicionais, repartir tarefas, delegar responsabilidades, inclusive com os filhos, para que homens e mulheres sejam cuidadores e provedores. Em outras palavras: é preciso incomodar os acomodados. Que, certamente, irão reclamar e acusá-la de egoísta. Para se manter firme na nova postura, é preciso resistir ao apelo do sentimento de culpa e da exigência cruel consigo mesma. O quanto desses deveres são realmente necessários? O que pode deixar de ser feito?

Nos circuitos da interação, o que um faz influencia o que o outro faz e vice-versa: a mudança firme de postura acaba resultando em mudança de comportamento dos outros. Como relatou uma mulher: “Foi preciso meu filho adolescente ficar indignado ao ver a gaveta de meias e cuecas completamente vazia para perceber que eu realmente não voltaria a cuidar de suas roupas sujas”.

Cada um de nós passa por diversas etapas do ciclo vital: infância, adolescência, idade adulta. A família também tem um ciclo vital: com filhos pequenos e maiores. No entanto, em muitas situações, o padrão de cuidados maternos fica “congelado”:  Solicitações do tipo “Mamãe, esquente a comida pra mim!”, “Cuide da minha roupa” continuam vigorando, mesmo quando adolescentes e jovens adultos já podem fazer tudo isso por conta própria. Os “acordos de convívio” precisam mudar, acompanhando o crescimento dos filhos, para estabelecer um padrão de parceria e compartilhamento justo dos afazeres domésticos. Se a casa é de todos, todos colaboram!

“Ninguém cuida da casa tão bem quanto eu”; “Gosto de me sentir necessária” – são algumas das raízes da manutenção desse padrão. “Ninguém se oferece para fazer coisa alguma” – mas ela tampouco solicita. Ou pede ajuda apenas para as filhas, mas não para os filhos e nem para o companheiro. A necessidade de agradar e de ser reconhecida conduz à frustração: quanto mais faz, quanto mais oferece, mais é exigida e menos recebe reconhecimento e gratidão. Como funciona a via de mão dupla nos relacionamentos? O que oferecemos? O que recebemos? O quanto há de reciprocidade em termos de cuidados e atenção?

É necessário examinar o quanto, sem perceber, contribuímos para reforçar, nos outros, padrões de comportamento dos quais nos queixamos. E em que proporção construímos a sobrecarga a partir de nossas múltiplas funções.